i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Islamismo

Aliados de Berlusconi querem banir burca na Itália

"Uma proibição seria xenófoba e discriminatória", disse membro do conselho do Centro Cultural Islâmico da itália

  • PorReuters
  • 08/10/2009 17:08

O partido italiano Liga Norte, contrário à imigração, quer aprovar uma lei que puna mulheres que cubram seus rostos com véus ou burcas, o que levou à reabertura do debate sobre os direitos religiosos dos muçulmanos no país católico.

A Liga Norte, aliada do primeiro-ministro conservador Silvio Berlusconi, quer alterar uma lei de 1975, criada numa época de preocupação com grupos guerrilheiros locais, que impõe pesadas multas e até dois anos de prisão para pessoas que cobrirem o rosto com qualquer coisa que impeça sua identificação pela polícia.

Roberto Cota, líder da bancada da Liga Norte e autor da proposta que diz ser motivada por preocupações de segurança, disse que a emenda abarcaria "trajes usados por razões de afiliação religiosa" e retiraria a expressão "causa justificada," o que tem permitido que alguns tribunais tolerem o uso das peças por razões religiosas.

O diplomata aposentado Mario Scialoja, que participa do conselho do Centro Cultural Islâmico da Itália, alertou contra a aprovação de leis que estigmatizem os muçulmanos.

"Uma proibição seria xenófoba e discriminatória. A lei existente deve ser cumprida," disse Scialoja à Reuters, pedindo às autoridades que tratem as mulheres com respeito. "Dizemos não a uma nova lei."

A oposição de centro-esquerda e os cerca de 1,2 milhão de muçulmanos da Itália - quase 2 por cento da população de maioria católica - contestaram a proposta.

A coalizão direitista liderada por Berlusconi já entrou em atrito com a comunidade islâmica por se opor à construção de novas mesquitas.

A França, que tem a maior minoria islâmica da Europa (5 milhões de pessoas), proibiu em 2004 o uso de véus e lenços de cabeça nas escolas públicas, e recentes propostas para a proibição das burcas geraram indignação no mundo islâmico.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.