i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Experimento evolutivo

"Alta tecnologia" indígena ajuda a manter diversidade agrícola

Tradição do Xingu conserva variabilidade de amendoim e mandioca. Para cientista, variedades nativas podem ajudar agricultura comercial

  • PorG1/Globo.com
  • 18/09/2008 17:10
Amendoim indígena. | Reprodução
Amendoim indígena.| Foto: Reprodução

É claro que as tribos indígenas do Xingu nunca ouviram falar em engenharia genética, mas os métodos tradicionais de plantio empregados por eles equivalem a um experimento evolutivo dos mais interessantes, que pode acabar preservando características e variedades valiosas de lavouras como o amendoim e a mandioca. A conclusão vem de um estudo feito por um agrônomo da Embrapa, que há anos visita as tribos da região.

"Há uma correlação direta entre a diversidade cultural dessas comunidades e a diversidade genética dos cultivares delas", diz Fábio de Oliveira Freitas, que apresentou os resultados de seu trabalho durante o 54. Congresso Brasileiro de Genética, que acontece até esta sexta (19) em Salvador. "Por isso, se a gente perder essa diversidade cultural, os recursos genéticos desses plantios também podem se perder."

Um exemplo direto desse elo estreito entre a cultura indígena e a variabilidade de sua lavoura foi flagrado por Freitas numa aldeia da tribo yawalapiti, uma das 17 etnias que habitam o Parque Indígena do Xingu. Intrigado ao notar estranhas estruturas circulares na lavoura de mandioca de um dos moradores da aldeia, o agrônomo da Embrapa foi informado pelo índio de que aquela era a "Casa do Kukurro", uma oferenda feita às lagartas normalmente encontradas na plantação, as quais são vistas como espíritos protetores da mandioca.

Mistureba

"Normalmente, os índios separam as variedades de mandioca nos canteiros, mas na Casa do Kukurro todas são plantados juntas, chegando a haver até 15 variedades misturadas", conta o pesquisador. E aí é que vem o pulo do gato: ao crescer, as plantas oriundas desse plantio conjunto florescem e podem fecundar umas às outras. "Você tem um ambiente de recombinação genética intensa", diz Freitas.

Embora a maioria dos outros pés de mandioca seja replantado por meio das ramas, sem cruzamento, o agricultor indígena tem paciência suficiente para esperar que as plantas da Casa do Kukurro cheguem até os dois ou três anos de idade, quando finalmente começam a produzir tubérculos. Com isso, a lavoura torna-se uma usina de novas variedades de mandioca, que são avaliadas pelos índios e, se tiverem características interessantes, ganham um novo nome e são incorporadas ao plantio generalizado na aldeia.

O manejo do amendoim, desta vez realizado pela tribo dos kayabi, povo que fala um idioma do tronco lingüístico tupi, é outro exemplo da diversidade genética estimulada pelo manejo indígena. A etnia possui lavouras de amendoim de todos os tamanhos e cores, e usa técnicas simples, porém eficazes, para garantir que as variedades mantenham suas características ao longo das gerações. Uma delas consiste em separar os canteiros de cada tipo de amendoim com fileiras de mandioca, diminuindo a chance de que haja troca de material genético entre eles.

Além disso, na época da colheita, os lavradores da tribo só usam para o replantio o amendoim que continua grudado aos caules e "vagens"; os frutos que caem ao chão podem ser recolhidos e usados para a alimentação, mas nunca replantados. "Com isso, para a geração seguinte, acabam sendo selecionadas as plantas de frutos mais ‘firmes’, ao contrário da situação natural, onde seria interessante para a planta liberar as sementes no solo", diz o pesquisador.

Potencial inexplorado

O resultado de milhares de anos dessa prática é a presença de uma variedade muito grande dos cultivares tradicionais indígenas – uma diversidade muito superior à dos plantios comerciais envolvendo as mesmas espécies. "Eu não tenho dúvidas de que essas variedades guardam um potencial muito grande para o melhoramento genético comercial. No caso do amendoim, por exemplo, há algumas formas aparentemente muito resistentes à seca. Também há variedades de banana resistentes à sigatoka-negra [principal doença a ameaçar os bananais atualmente]", diz Freitas.

Dadas essas características, seria um bocado interessante trazer a diversidade genética das variedades indígenas para os cultivos comerciais por meio de cruzamentos ou até da criação de transgênicos. Uma das grandes dificuldades, lembra o pesquisador, é a fluidez do conhecimento e da transmissão de variedades entre os próprios índios: embora a legislação preveja que os donos do conhecimento tradicional devam ser recompensados financeiramente pelo uso comercial dele, é muito difícil saber que etnia é "dona" original de determinada variedade.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.