i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Partido

Após Assange, Wikileaks anuncia mais dois candidatos para Senado australiano

  • PorEFE
  • 06/04/2013 06:08

O partido político criado pelo Wikileaks anunciou neste sábado que apresentará outros dois candidatos ao Senado da Austrália, que concorrerão nas próximas eleições junto ao fundador da portal, Julian Assange.

Assange, que segue refugiado na embaixada do Equador em Londres, anunciou em dezembro sua candidatura à câmara Alta pelo estado de Victoria.

O diretor de campanha do Wikileaks, Greg Barns, disse que o partido conta com dois candidatos "altamente qualificados" para o Senado nos estados de Nova Gales do Sul e da Austrália Ocidental, embora tenha evitado revelar os nomes.

Barns mostrou sua confiança em que o Partido Wikileaks possa conseguir as cadeiras ao Senado nos três Estados nos quais terá candidatos, mas acrescentou que "dependerá do Governo dar oportunidade para que Assange retorne à Austrália".

"Na minha opinião, e acho que na de muita gente, seria muito embaraçoso internacionalmente para os eleitores de Victoria se não pudessem ter no Senado a pessoa pela qual votaram", disse Barns ao grupo midiático "Fairfax".

O fundador do Wikileaks se encontra refugiado na embaixada equatoriana em Londres desde junho do ano passado para evitar sua extradição para Suécia, onde é acusado de supostos delitos sexuais.

Assange teme que a Suécia o deporte para os EUA, onde poderia ser condenado à pena de morte ou à prisão perpétua pelas filtragens de informações diplomáticas confidenciais do Governo americano através do Wikileaks.

O jornalista australiano disse em fevereiro que se for eleito senador, se livraria das acusações já que os Estados Unidos suspenderiam a investigação contra si para evitar abrir um enfrentamento diplomático, o que levaria o Reino Unido e a Suécia a fazer o mesmo.

O Partido Wikileaks assegurou que superou os 500 filiados que necessita para se registrar como partido político para as próximas eleições de 14 de setembro, e que fará a inscrição na Comissão Eleitoral antes da data limite, na metade de maio.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.