i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Acusação

Após atentado, Irã ameaça EUA

Governo de Teerã afirma que Estados Unidos, Inglaterra e Paquistão colaboraram com terroristas que mataram membros da Guarda Revolucionária

  • PorFolhapress
  • 19/10/2009 21:05
Iranianos carregam caixão de membro da Guarda Revolucionária morto em atentado. Sete militares foram vítimas de ataque terrorista | Irna/Rashki/AFP
Iranianos carregam caixão de membro da Guarda Revolucionária morto em atentado. Sete militares foram vítimas de ataque terrorista| Foto: Irna/Rashki/AFP

Energia nuclear

Negociações entre AIEA e Irã não avançam

Agência Estado

Viena - O primeiro dia de conversações com o objetivo de persuadir o Irã a enviar a maior parte de seu urânio enriquecido para o exterior terminou sem resultados, mas o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Monhamed ElBaradei, afirmou, após o fim da sessão que as negociações "começaram bem".

El Baradei parecia otimista após o primeiro dia de conversações e afirmou que a maioria das questões técnicas haviam sido discutidas e que as partes irão se reunir novamente na manhã de hoje. "Nós tivemos uma reunião bastante construtiva nesta tarde", disse El Baradei. "Nós tivemos um bom início". O chefe da delegação iraniana, Ali Asghar Soltanieh, declarou apenas que endossava os comentários de El Baradei.

As conversações de ontem tiveram como objetivo permitir que um país estrangeiro – provavelmente a Rússia – transforme o urânio do Irã em combustível com maior enriquecimento para o reator iraniano.

  • Veja onde aconteceu a manifestação

Teerã - Um dia após ataques terroristas que mataram seis de seus comandantes, a Guarda Revolucionária do Irã, mais poderosa força militar do país, afirmou que irá retaliar EUA e Reino Unido, que foram acusados juntamente com o Pa­­quistão de apoio aos radicais responsabilizados pelo massacre.

O balanço de mortos chegou hoje a 42 pessoas, depois de várias horas de relatos conflitantes. Os atentados, os mais mortíferos em duas décadas no Irã, ocorreram na manhã de domingo, durante reunião de comandantes da guarda com líderes tribais da Província de Sistão e Baluquistão, perto da fron­­teira com o Paquistão.

As ameaças foram corroboradas pelo líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei. "Os mercenários da arrogância global devem saber que o sistema islâmico vai proteger (...) seu povo leal e punirá aqueles que violarem suas vidas e segurança’’, afirmou. O Irã em geral alude aos EUA quando usa o termo "arrogância global’’.

Já o presidente Mahmoud Ahmadinejad disse que os problemas atuais do Oriente Médio têm como raiz a presença estrangeira na região.

O grupo radical sunita Jundol­­lah ("Soldados de Deus’’) confirmou hoje sua responsabilidade no episódio em um site islâmico.

Washington, Londres e Isla­­mabad negaram qualquer relação com o Jundollah ou com os atentados e condenaram veementemente os ataques.

Mas o líder da Guarda Revolu­­cionária, Ali Jafari, disse ter documentos indicando "laços diretos’’ entre o Jundollah e as inteligências americana, britânica e, "infelizmente, paquistanesa’’. "Nos bas­­tidores (dos ataques) estão os aparatos de inteligência americano e britânico, e teremos de agir para puni-los’’, disse o general Jafari.

As ameaças de retaliação ficaram restritas aos dois primeiros. Sobre o Paquistão, disse que uma delegação iraniana viajará em breve até o país para apresentar provas de envolvimento. Também exigiu que Islamabad entregue à Justiça iraniana os autores da ma­­tança.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.