Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Dezenas de milhões de pessoas testemunharão nesta quarta (22), na Ásia, o mais longo eclipse total que ocorrerá neste século. Amplas áreas da Índia e da China, toda a cidade de Xangai e o sul do arquipélago japonês mergulharão na escuridão por cerca de cinco minutos. Multidões de astrônomos, amadores e profissionais estão percorrendo longas distâncias para testemunhar o fenômeno. Cientistas esperam que o eclipse revele novas informações sobre o Sol. Algumas pessoas estão aconselhando as gestantes da Índia a não sair de casa, segundo uma antiga superstição. O eclipse total anterior, em 2008, durou por volta de dois minutos e meio. Este durará, no seu ponto de máxima extensão, cerca de seis minutos e trinta segundos.

O eclipse aparecerá primeiro ao amanhecer no Golfo de Khambaht, na Índia, ao norte de Mumbai. A sombra da Lua vai se deslocar a leste pela Índia, Nepal, Mianmar, Bangladesh, Butão e China, antes de atingir o Oceano Pacífico. O eclipse também passará sobre algumas ilhas do sul do Japão. Será visível, por último, na Ilha Nikumaroro, na nação de Kiribati. Para os astrônomos, será uma oportunidade de observar por um longo período a corona solar, um anel luminoso a um milhão de quilômetros da superfície do Sol.

O cientista Lucie Green está a bordo de um navio de cruzeiro que se destina a esse ponto, próximo à ilha de Iwo Jima, onde o eixo da sombra da Lua passará mais perto da Terra. "A corona tem uma temperatura de 2 milhões de graus Celsius, mas não sabemos por que é tão quente", disse Green. "O que vamos procurar são ondas na corona. As ondas podem estar produzindo a energia que aquece a corona. Isso significaria entender mais um pedaço da ciência do Sol." Passageiros pagaram em torno de US$ 3 mil para participar do cruzeiro, realizado por uma empresa especializada em viagens astronômicas.

"Teremos de esperar mais algumas centenas de anos por outra oportunidade de observar um eclipse solar que dure tanto, portanto se trata de uma oportunidade muito especial", disse o astrônomo Shao Zhenyi, do Observatório Astronômico de Xangai.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]