i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Guerra civil da Síria

Ataque sírio mata 33 soldados turcos em Idlib e pode desencadear onda de refugiados na Europa

    • Gazeta do Povo
    • 28/02/2020 07:59
    turquia refugiados
    Refugiados afegãos chegam à ilha grega de Lesbos em 28 de fevereiro.| Foto: ARIS MESSINIS/AFP

    Um ataque aéreo das forças comandadas pelo ditador sírio Bashar al-Assad matou nesta quinta-feira (27) 33 soldados turcos na região de Idlib, onde o governo da Síria orquestra uma ofensiva junto com a Rússia para retomar a área controlada por rebeldes, apoiados pela Turquia. Também há 32 soldados em condições estáveis que estão sendo tratados em hospitais.

    A ação está sendo considerada uma grande escalada no conflito em um país devastado por anos de guerra, aumentando o risco para milhares de civis que vivem na província de Idlib e consequentemente ameaçando outra crise de refugiados para a Europa.

    Em retaliação, a artilharia turca atingiu alvos do regime Assad em Idlib e também realizou ataques com mísseis contra alvos em Hama, Nubl, Zahraa e Latakia. Segundo informações da BBC, 200 alvos sírios foram atingidos e 309 soldados sírios foram "neutralizados".

    "Todos os elementos do regime sírio se tornaram alvos. A Turquia agora reconhece todos os elementos do regime de Assad como alvos hostis", disse Ömer Çelik, porta-voz do Partido da Justiça e Desenvolvimento, partido do presidente turco Recep Tayyip Erdogan, de acordo com o site Daily Sabah.

    A Turquia também convocou para esta sexta-feira (28) uma reunião da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), da qual faz parte, para discutir os últimos acontecimentos.

    De acordo com a BBC, um porta-voz dos Estados Unidos disse que o país apoiará a Turquia e continuará pedindo o fim imediato da ofensiva síria contra Idlib.

    Também envolvida no conflito, a Rússia alegou que as tropas turcas foram atacadas pelos soldados sírios enquanto operavam com combatentes jihadistas e que Ankara falhou em em informar que seus soldados estavam lutando com os jihadistas. A televisão estatal russa informou que especialistas militares turcos estavam usando sistemas de defesa aérea portáteis para tentar abater aviões militares russos e sírios sobre Idlib. A Rússia negou que tenha participado dos ataques aéreos contra as tropas turcas.

    Segundo o Ministério da Defesa da Rússia, "imediatamente após receber informações sobre os soldados turcos feridos, a Rússia tomou medidas abrangentes para garantir a cessação total das hostilidades pelas forças sírias". A evacuação dos militares turcos que foram mortos ou feridos na Turquia também foi garantida, segundo a agência de notícias russa Tass.

    Refugiados na Europa

    A província de Idlib, única que ainda é controlada pelos rebeldes sírios, é a casa de cerca de 1,5 milhão de pessoas. Desde dezembro, quando a ofensiva síria e russa começou, 948 mil pessoas foram deslocadas e pelo menos 465 civis, 145 deles crianças, foram mortos, segundo as Nações Unidas (ONU).

    Muitas pessoas que estão na linha de fogo entre as forças opositoras tentam fugir para a Turquia, que já recebeu 3,7 milhões de refugiados sírios desde o início da guerra após um acordo com a União Europeia - que basicamente envia dinheiro à Turquia para que ela impeça a passagem de refugiados para os países europeus.

    Nesta sexta-feira, após a morte dos soldados turcos, jornais noticiaram que o governo de Ankara decidiu não mais bloquear a passagem dos refugiados. Segundo a AFP, a polícia turca, a guarda costeira e os oficiais de segurança nas fronteiras foram ordenados a recuar. A Reuters informou que a Grécia já está consultando seus parceiros da União Europeia e da Otan sobre a crise.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.