Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Veículo militar afegão próximo da base militar onde um atentado a bomba deixou vários mortos e feridos, na província de Wardak, Afeganistão. O Taleban reivindicou a responsabilidade pelo ataque |  STR / AFP
Veículo militar afegão próximo da base militar onde um atentado a bomba deixou vários mortos e feridos, na província de Wardak, Afeganistão. O Taleban reivindicou a responsabilidade pelo ataque| Foto:  STR / AFP

Várias forças de segurança afegãs foram mortas nesta segunda-feira (21), quando um homem-bomba invadiu com um veículo militar um complexo de treinamento da agência nacional de inteligência na província de Wardak, informaram autoridades locais. 

Os insurgentes do Taleban imediatamente assumiram a responsabilidade pelo ataque, que alguns oficiais de segurança em Cabul disseram ter matado mais de 120 pessoas dentro das instalações e ferido muitos outros. Mas as autoridades provinciais insistiram que o número de vítimas era muito menor. Porta-vozes da agência de inteligência não foram encontrados na segunda-feira à noite para comentar. 

O atentado aconteceu pouco depois de um ataque do Taleban igualmente ousado, no domingo, a um comboio do governo na província de Logar, no qual o governador da província escapou por pouco e oito de seus seguranças foram mortos quando um homem-bomba em um veículo atropelou seu comboio. 

Leia também: Um empresário quer “privatizar” a guerra no Afeganistão

Os insurgentes intensificaram os ataques terrestres enquanto continuavam a participar das discussões de paz que os oficiais dos EUA estão promovendo. Autoridades afegãs e outros descreveram isso como uma tática para ganhar vantagem nas negociações, com o Taleban exigindo a retirada total das tropas estrangeiras como o preço para resolver o conflito de 17 anos. 

Um encontro entre delegados do Taleban e diplomatas estrangeiros foi realizado na segunda-feira no Qatar, e um email de um porta-voz do Taleban na segunda-feira, afirmando que 190 pessoas foram mortas por suas forças em Wardak, disse que as negociações continuariam na terça-feira. 

O bombardeio massivo de segunda-feira destruiu a maior parte do prédio da capital provincial, onde cerca de 150 soldados da contra-insurgência estão baseados, informaram autoridades locais. Após o bombardeio, homens armados entraram no complexo em um caminhão e começaram a atirar. 

Relatórios contraditórios sobre o número de mortos e feridos no ataque de Wardak causaram confusão até o final da noite de segunda-feira. Funcionários e legisladores em Wardak afirmara que o número de mortos estava entr 12 e 50, enquanto alguns oficiais de segurança em Cabul disseram que os números eram muito mais altos. 

Um oficial militar, falando a uma agência de notícias sob condição de anonimato, expressou frustração por funcionários da inteligência proibirem outras agências de falar sobre o incidente.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]