i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
polêmica

Autor de filme que revoltou muçulmanos não tem remorsos

O filme ofendeu multidões de muçulmanos, desencadeando uma onda de protestos anti-americanos no Oriente Médio Oriente, em que morreram mais de 30 pessoas

  • Porafp
  • 26/11/2012 15:23

O autor do filme islamofóbico "A inocência dos muçulmanos", que apresentou o profeta Maomé como um ser de conduta reprovável, provocando a ira do mundo muçulmano, não tem remorsos, afirma o New York Times desta segunda-feira (26).

"Antes de escrever o roteiro, pensei que me imolaria em praça pública para divulgar minha mensagem ao povo norte-americano e aos povos do mundo", disse Basseley Nakoula, respondendo a perguntas em escrito formuladas pelo jornal, publicadas nesta segunda-feira.

O filme ofendeu multidões de muçulmanos, desencadeando uma onda de protestos anti-americanos no Oriente Médio Oriente, em que morreram mais de 30 pessoas.

Nakoula, de 55 anos, condenado em 2009 por fraude bancária, foi preso no dia 27 de setembro em Los Angeles por violação de sua liberdade condicional. Atualmente, ele cumpre pena de prisão de um ano e não falou com a imprensa desde então, segundo o NYT.

O homem cita a morte de 13 pessoas na base militar de Fort Hood no Texas, em novembro de 2009 - em um incidente em que um psiquiatra militar muçulmano foi considerado culpado - como prova das "atrocidades" cometidas "em nome de Alá". "Eu me senti ainda mais comovido e enfurecido" após a matança de Fort Hood, disse Nakoula, um cristão copta nascido no Egito.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.