i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Resposta ao coronavírus

Bernie Sanders está errado sobre o sistema de saúde dos EUA

  • PorSteven Malanga*
  • The City Journal
  • 09/03/2020 19:10
coronavírus eua bernie sanders
Apoiadores do pré-candidato democrata Bernie Sanders usam máscaras em evento em Los Angeles| Foto: David McNew/Getty Images/AFP

Quando era o chefe de gabinete do presidente Barack Obama, Rahm Emanuel aconselhou a nunca deixar uma crise ser desperdiçada. Os defensores da assistência médica universal, controlada pelo governo, nos Estados Unidos estão adotando essa estratégia à medida que o país enfrenta a perspectiva de uma epidemia de coronavírus. Na semana passada, usando uma história sobre um homem de Miami que foi cobrado em US$ 1.400 após ir ao hospital para fazer o teste do coronavírus, eles acusaram o sistema americano de assistência privada de não combater a propagação do vírus. Críticos afirmam que episódios como este do homem de Miami desencorajam as pessoas a procurarem testes e tratamento, permitindo assim a disseminação do contágio. A solução, de acordo com Bernie Sanders? Um sistema nacional de assistência médica – o único sistema, segundo ele e seus apoiadores acreditam, capaz de lidar com uma crise como o coronavírus.

O problema com essa alegação, assim como outras argumentações a favor dos sistemas nacionalizados de saúde, é que ela ignora como esses sistemas realmente funcionam. Como os cuidados de saúde sob esses planos são baratos ou mesmo "gratuitos", as pessoas o usam em excesso, aumentando os custos e forçando os governos a limitar o acesso. É por isso que longos tempos de espera e negações de serviço são tipicamente mais característicos dos sistemas nacionais de saúde do que os americanos. De fato, na semana passada, os cidadãos japoneses criticaram duramente seu governo porque seu serviço nacional de saúde, no qual os cidadãos devem se inscrever se não tiverem seguro fornecido pelo empregador, limitou o teste de coronavírus a apenas 5.700 pessoas. Alguns críticos acusaram o governo do primeiro-ministro Shinzo Abe de reprimir os testes para minimizar a gravidade da propagação do vírus. Outros viam isso como uma medida de economia de custos.

Os sistemas de saúde controlados pelo governo são especialmente vulneráveis ​​a epidemias porque, para controlar os custos, eles devem retirar o excesso de capacidade possível de suas operações. Durante a temporada de gripe 2017-2018 no reino Unido, por exemplo, o Sistema Nacional de Saúde (NHS) ficou sobrecarregado. Os pacientes passavam 12 horas nas enfermarias do hospital aguardando tratamento, os corredores estavam cheios de camas e os médicos adiavam todas, exceto as cirurgias mais urgentes, informou o New York Times. Os médicos britânicos reclamaram de ter que atuar em um "campo de batalha" e em "condições do terceiro mundo". Naquela primavera, para economizar dinheiro, o NHS parou de pagar por uma ampla gama de remédios para doenças comuns, incluindo aqueles que tratam constipação, herpes labial, conjuntivite, cólica infantil e dor nas costas. Cerca de um ano depois, o país relatou escassez generalizada de cerca de 80 medicamentos comuns, como o Naproxeno, anti-inflamatório. Um motivo: o serviço reduziu o preço dos medicamentos até o momento em que os fabricantes passaram a considerar "o Reino Unido um mercado menos atraente". Ao mesmo tempo, o NHS é notável por restringir o acesso a medicamentos caros que tratam condições muito mais graves. Antes de ceder às críticas, por exemplo, o NHS passou quatro anos se recusando a dar aos pacientes com fibrose cística – incluindo cerca de 5.000 crianças – acesso ao Orkambi, um medicamento desenvolvido pelo fabricante americano Vertex International.

O que os críticos chamam de abordagem de assistência médica dos Estados Unidos é, na verdade, um sistema que tenta oferecer opções, em vez de um serviço nacional de tamanho único. O plano de saúde do homem de Miami, que foi chamado de lixo, é uma dessas opções - um plano de baixo custo e alta dedução, em que o paciente concorda em pagar por muitos procedimentos comuns em troca de uma taxa mais barata. Esses planos existiam em estados como a Califórnia antes do Obamacare, como ficou conhecido o programa de assistência à saúde da gestão Barack Obama; eles eram voltados para consumidores, como jovens adultos, que buscavam proteção contra custos catastróficos de não ter um seguro, mas se opunham ao preço de um plano mais abrangente. O Obamacare impôs restrições a esses planos, buscando forçar as pessoas a fazer trocas de seguros. Há dois anos, o presidente Trump assinou uma ordem executiva expandindo o acesso a esses planos de saúde. Embora os críticos tenham cobrado que alguns dos planos, como o seguro limitado da empresa AARP para idosos, não informam adequadamente os clientes sobre as restrições à cobertura, alguns consumidores expressaram satisfação pelos serviços oferecidos e pelas economias que obtiveram.

O verdadeiro problema no caso de Miami foi onde o homem foi procurar o serviço. Os custos incorridos não eram nem de um teste de coronavírus, mas de outras taxas associadas à visita a uma sala de emergência do hospital para exame. De fato, depois que um exame mostrou que ele estava gripado, o homem não foi testado para o coronavírus, mesmo que o Centro de Controle de Doenças esteja fornecendo os exames gratuitamente, porque designou o coronavírus como uma emergência de saúde pública.

O CDC foi justamente criticado por intensificar a realização de testes muito lentamente. Mas, como especialistas prevêem um aumento inevitável de casos nos EUA, a agência está trabalhando para tornar os testes amplamente disponíveis. À medida que o número de testes aumenta, o mesmo ocorre com a rede de instalações que os fornecem, estendendo-se muito além das salas de emergência hospitalares caras. Alguns prestadores de serviços de saúde chegaram a sugerir a instalação de unidades equivalentes a um "drive-thru", onde as pessoas podem ser testadas de maneira rápida e barata, como a Coreia do Sul está fazendo. Da mesma forma, quando uma vacina eficaz estiver disponível, Washington poderia subsidiar a produção para imunizar a população rapidamente.

Todos esses esforços, e outros como esses, para combater o coronavírus podem ser realizados sem que a assistência médica americana precise passar por uma renovação. De fato, é um sistema como o nosso que possibilita tais esforços. Ao contrário das alegações de Sanders, o sistema de saúde americano, com suas falhas e tudo mais, está melhor equipado do que qualquer outro para lidar com um desafio como o coronavírus.

*Steven Malanga é editor sênior do City Journal, pesquisador no Instituto Manhattan e autor de "Shakedown: A Conspiração Contínua Contra o Contribuinte Americano".

© 2020 The City Journal. Publicado com permissão. Original em inglês.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.