Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, fala durante um ato que comemorava os 20 anos do regresso ao poder de Hugo Chávez, em Caracas, em abril de 2022.
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, fala durante um ato que comemorava os 20 anos do regresso ao poder de Hugo Chávez, em Caracas, em abril de 2022.| Foto: EFE/ RONALD PEÑA

Nesta semana, o governo de Joe Biden anunciou um enfraquecimento das sanções energéticas contra a ditadura de Maduro na Venezuela. Segundo o presidente americano, o pedido foi feito pela oposição democrática venezuelana. Mas existem mentiras tanto em relação ao que a oposição quer quanto ao que o governo americano divulgou.

Vale a pena olhar primeiro para o que as autoridades dos EUA estão dizendo. Aqui estão as partes relevantes da história na CNN:

"O governo Biden começará a aliviar algumas sanções energéticas à Venezuela para incentivar as discussões políticas em andamento entre o presidente Nicolás Maduro e a oposição, conforme disseram dois altos funcionários do governo à CNN.

O primeiro passo (...) permitirá que a Chevron - a última grande empresa petrolífera dos EUA ainda operando na Venezuela - negocie sua licença com a estatal petrolífera PDVSA para continuar as operações no país, disseram as autoridades. (...)

A decisão de aliviar algumas sanções energéticas dos EUA à Venezuela veio a pedido da oposição do país, conforme informou um alto funcionário do governo, que procura retornar às negociações com o regime de Maduro (...)

O governo tomou as medidas na terça-feira “em plena coordenação” com Guaidó e seu governo interino, que os EUA reconhecem como a liderança legítima da Venezuela, segundo informou uma autoridade. Antes que o alívio das sanções vá além, os EUA terão que observar um progresso significativo nas discussões políticas, disseram as autoridades".

Falta aqui outra parte das concessões que o governo Biden fez: suspendeu as sanções a Eric Malpica Flores, sobrinho da primeira-dama da Venezuela. Apesar da alegação do governo de que estava fazendo tudo a pedido e em estreita coordenação com Guaidó e a oposição, o noticiário Axios informou que “a oposição venezuelana divulgou um comunicado dizendo que não pediu aos EUA que suspendesse qualquer tipo de sanções pessoais de oficiais”. Nesse ponto, a administração americana está simplesmente sendo enganosa.

Mas tomemos a alegação principal: a de que a oposição pede negociações com o regime de Maduro e está disposta a apoiar alguma flexibilização das sanções. O que a oposição realmente quer são negociações reais e sérias com uma data de início exata.

Agora pense no que os diplomatas de Biden fizeram. Eles poderiam ter dito ao regime que assim que as negociações começassem, as sanções seriam aliviadas. Dê e receba. Em vez disso, eles fizeram suas concessões antecipadamente, sem receber nada em troca.

Fontes da oposição dizem que o regime agora está exigindo que a Noruega, que há muito desempenhou um papel útil na promoção de negociações sérias, seja excluída das conversas a partir de agora. A probabilidade é de que as datas para as negociações sejam adiadas, ou uma primeira rodada seja realizada e, em seguida, as negociações terminem. Nada de sério jamais surgiu das negociações sobre democracia com Nicolás Maduro, porque seu regime criminoso não permite eleições livres.

O governo Biden cometeu alguns erros diplomáticos elementares e mais uma vez deixou claro seu desejo de obter mais petróleo venezuelano no mercado mundial. Isso por si só é uma atitude tola, porque a Venezuela não tem capacidade para aumentar as exportações rápida e substancialmente.

O efeito colateral desse episódio será fortalecer Maduro, enfraquecer a oposição democrática e não obter nada em troca de concessões preventivas. O senador Robert Menendez, democrata que preside o Comitê de Relações Exteriores, estava certo quando disse que "dar a Maduro um punhado de esmolas imerecidas apenas para que seu regime prometa se sentar à mesa de negociações é uma estratégia destinada ao fracasso. Os Estados Unidos devem considerar apenas recalibrar as sanções em resposta a passos concretos nas negociações, não simplesmente em resposta à conversa fiada de um ditador criminoso".

Elliott Abrams é membro sênior do Conselho de Relações Exteriores e presidente da Coalizão Vandenberg.

©2022 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]