i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Projeto

Bolívia planeja hidrelétrica próxima à divisa com o Brasil

  • PorAgência Estado
  • 04/09/2008 19:37

Sem licitação, a Bolívia contratou o consórcio canadense Tecsul para projetar e construir a usina hidrelétrica de Cachuela Esperanza, no Rio Beni, um dos afluentes do Rio Madeira, próxima à divisa com o Brasil. Conforme o acordo entre o governo de Evo Morales e a Tecsul, o projeto deve ser entregue até julho de 2009, e a usina deve ser concluída em meados de 2015.

A iniciativa da gestão Evo Morales eliminou a possibilidade de o governo brasileiro levantar essa hidrelétrica como um projeto binacional e de apresentá-lo como contrapartida aos supostos prejuízos gerados pelas futuras usinas de Jirau e Santo Antonio, que serão construídas no Rio Madeira, em Rondônia.

O consórcio Tecsul também terá outra missão, encomendada pela Empresa Boliviana de Eletricidade (Ende), a estatal de energia elétrica do país. Será encarregada de elaborar estudos sobre o impacto ambiental das represas de Jirau e de Santo Antonio em território boliviano. Esses estudos custarão aos cofres públicos bolivianos US$ 8 milhões. Os contratos foram assinados no último dia 27 de agosto, em La Paz.

A decisão da Bolívia foi interpretada, no Itamaraty, como uma clara aversão a qualquer cooperação do Brasil no setor de energia elétrica - ainda mais quando se trata do aproveitamento hídrico do Rio Madeira. Nos últimos anos, o governo Evo Morales levantou uma série de obstáculos, especialmente na área ambiental, à construção das duas usinas brasileiras. O Palácio do Planalto comprometeu-se a repassar a La Paz todos os estudos sobre os impactos do lado brasileiro e assegurou que, do lado boliviano, seguramente os riscos seriam mínimos.

Entretanto, uma reunião marcada para agosto para tratar do tema foi adiada, a pedido da Bolívia, para os dias 2 e 3 de outubro. No final de agosto, o chanceler boliviano, David Choquehuanca, enviou uma queixa ao ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, de suposta invasão do território da Bolívia por técnicos brasileiros. Esses técnicos estariam realizando monitoramento ambiental relativos à construção da usina de Santo Antonio. Por fim, a Bolívia entregou à Tecsul o projeto com o qual o Brasil esperava apaziguar os ânimos do governo boliviano. A hidrelétrica de Cachuela Esperanza deverá gerar 800 megawatts, o equivalente a 12,4% da capacidade máxima das duas usinas brasileiras no Madeira.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.