Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mundo
  3. Brancos na África do Sul temem onda de violência

Futuro

Brancos na África do Sul temem onda de violência

País vive momento de incerteza e medo relacionados ao fim da era Mandela, o presidente que defendeu o perdão no pós-Apartheid

  • Folhapress
Homem pinta retrato do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, em Pretória |
Homem pinta retrato do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, em Pretória
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Ao lado de dois filhos adolescentes, a enfermeira Jeanie Pretorius acompanhava a vigília em frente do hospital onde está internado o ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, em Pretória, com ar preocupado.

“Todo mundo está um pouco assustado com o futuro deste país. Há muita gente por aí fazendo o discurso do ódio contra nós”, diz Pretorius, parte da minoria branca que perfaz 10% da população e um dia governou o país à frente do regime do apartheid (segregação racial).

Como a maioria dos brancos de hoje, ela é admiradora de Mandela, a quem credita uma transição política pacífica e sem vingança quando chegou ao poder, em 1994. Daí vem o medo de que, quando o ex-presidente se for, o caminho esteja aberto para uma onda de violência.

“Temos recebido muitos telefonemas preocupados. Fala-se de uma ‘noite dos longos punhais’, de um ‘genocídio branco’”, diz Ernst Roets, vice-diretor do Afriforum, ONG que defende direitos dos brancos (a maioria descendentes de holandeses).

A resposta de Roets aos telefonemas aflitos é padrão: na África do Sul de hoje, não há espaço para onda de violência racial, embora ameaças em redes sociais sejam levadas a sério pela organização. “Mas me preocupa o longo prazo. Quanto mais distantes ficamos da era Mandela, mais agressivo fica o discurso do governo contra os brancos”, declara Roets.

Pieter Groenewald, presidente da Frente da Liberdade, partido nanico que representa brancos, diz que o medo é causado pela desinformação. “As pessoas acham que Mandela ainda influencia as decisões do governo e que, quando ele morrer, isso acabará e haverá violência. Não sabem que há pelo menos dez anos ele não participa do dia a dia da política”.

Por mais improvável que um cenário de violência se materialize, a preocupação revela como ainda é imperfeita a harmonia racial no país. O clima de incerteza já se alastrou o suficiente para o governo se pronunciar oficialmente sobre o tema.

“Nós nos reconciliamos com os brancos e estamos construindo a nação. É um processo que começou com Mandela e vai continuar”, declarou Jackson Mthembu, porta-voz do Conselho Nacional Africano (CNA, partido do governo).

Há também o temor de que, sem Mandela, elementos mais à esquerda no governo ganhem espaço e forcem políticas intervencionistas e a estatização do setor minerador, o ganha-pão da economia. A equipe econômica veio a público para negar essa possibilidade, antes que investidores se assustassem.

CNN

Até o fechamento desta edição, segundo a rede de tevê americana CNN, o ex-líder respirava por aparelhos. A informação foi dada por um funcionário do hospital onde Nelson Mandela foi internado, sob condição de anonimato. Ela não foi confirmada pelo governo sul-africano, cujo porta-voz disse que os médicos continuam empenhados em recuperar o ex-presidente.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE