i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Alteração imunológica

Brasileiros testam novo método para tratar diabetes 1 com células-tronco

Protocolo anterior funcionava, mas era muito agressivo para pacientes. Agora, grupo quer modular sistema imune com as próprias células-tronco

  • PorG1/Globo.com
  • 23/09/2008 17:57

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto, que realizaram o primeiro estudo em humanos envolvendo células-tronco e diabetes, iniciaram nova pesquisa. Os cientistas brasileiros conseguiram reverter a alteração imunológica que dá origem ao diabetes tipo 1, utilizando para isso uma combinação de células-tronco e quimioterapia.

O diabetes tipo 1 acomete principalmente jovens e crianças e leva os pacientes a necessitarem de múltiplas aplicações de insulina para manter os níveis de açúcar no sangue. Nos diabéticos desse tipo, as células produtoras de insulina são atacadas pelos órgãos de defesa do corpo, parando assim a produção do hormônio essencial para o funcionamento do organismo.

Na pesquisa de 2003 os médicos desligavam o sistema imunológico dos pacientes com aplicações de quimioterapia. Após isso, "religavam" o sistema devolvendo ao corpo células-tronco que haviam sido retiradas previamente do sangue dos indivíduos. Com esse religamento, muitos pacientes passavam a produzir insulina de forma natural e dispensavam as agulhadas diárias.

Nesses cinco anos de acompanhamento dos 23 participantes originais, 20 permaneceram sem insulina em algum momento. Existem pacientes que estão livres da insulina há anos. O trabalho de pesquisa dos nossos compatriotas foi publicado na revista "Journal of the American Medical Association" e passou a ser um marco nesse campo desde então.

O problema estava na necessidade de usar a quimioterapia, que trazia riscos para os pacientes, os quais podiam sofrer de infecções e outros efeitos colaterais nesse período. O grupo está iniciando nova pesquisa que, desta vez, utilizará um tipo especial de células-tronco dos pacientes. As células-tronco mesenquimais deverão ser capazes de bloquear a atividade imunológica contra o pâncreas e aumentar a quantidade de células produtoras de insulina ao mesmo tempo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.