• 28/08/2020 09:21
Argentina

Senado argentino aprova reforma judicial proposta pelo governo Fernández

  • 28/08/2020 09:21
    reforma judicial argentina
    A vice-presidente argentina Cristina Fernandez de Kirchner comanda sessão do Senado em que se discute a reforma judicial proposta pelo presidente Alberto Fernández| Foto: RONALDO SCHEMIDT/AFP

    A maioria kirchnerista conseguiu aprovar com facilidade o projeto de reforma judicial no Senado argentino na madrugada desta sexta-feira (28), depois de mais de 10 horas de discussão. Foram 40 votos a favor e 26 contra a proposta do presidente Alberto Fernández que deve criar mais tribunais criminais federais em Buenos Aires para dissolver o poder dos juízes de Comodoro Py, onde são julgados os principais casos de corrupção do país - inclusive os que têm a vice-presidente Cristina Kirchner como ré.

    Com modificações, a reforma segue para a Câmara dos Deputados, dominada pela oposição. Foi incluído no projeto a criação de mais 9 câmaras de apelação e 60 tribunais federais no interior do país. A controversa emenda apresentada na semana passada pelo senador Oscar Parrilli, aliado de Kirchner, foi retirada pelo próprio senador. Ele propunha que os juízes deveriam ser obrigados a denunciar "pressões midiáticas" que poderiam vir a sofrer no julgamento de processos, o que foi interpretado por advogados constitucionalistas e organizações jornalísticas argentinas como censura à imprensa. Do lado de fora do Senado, várias pessoas protestaram contra a reforma, chamando-a de "impunidade K", em referência à vice-presidente do país.

    Tudo sobre:

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.