i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Direitos civis

Casamento gay ganha impulso nos EUA

Vitória em quatro estados americanos fazem defensores do casamento homossexual planejarem a aprovação de leis em outras doze unidades

  • PorAgência O Globo
  • 14/11/2012 12:40

Vibrantes com a primeira vitória nas urnas em quatro estados americanos, defensores do casamento homossexual planejam impulsionar a legalização da lei em outros doze estados do país, enquanto pressionam tribunais federais. Eles também se preparam para a mudança de uma emenda constitucional no estado de Oregon, que deve ser alterada em 2014 e definia o casamento como apenas entre homem e mulher.

Nove estados e a capital federal, Washington, legalizaram a união civil homossexual. Mesmo que a questão continue impopular no sul dos Estados Unidos, os ativistas veem possíveis ganhos legislativos em Delaware, Havaí, Illinois, Rhode Island, Minnesota e Nova Jersey.

O reforço à causa vem da rápida mudança na opinião pública, enquanto pessoas crescem acostumadas à ideia e se familiarizam com gays e casais homossexuais.

"O ritmo da mudança de opiniões cresceu nos últimos anos. E com uma nova geração sendo a maior parte do eleitorado, a questão está mais abrangente", disse Michael Dimock, diretor de pesquisa do Centro de Pesquisa Pew, em Washington.

Um olhar mais atento à campanha deste ano, do Maine ao estado de Washignton, mostra como os ativistas pretendem acelerar essa mudança no futuro, baseando-se principalmente num intenso e paciente trabalho pessoal. No Maine, houve um referendo sobre a união homossexual há três anos, e a medida não foi aceita - 53% dos eleitores a rejeitaram. O grupo Mainers United for Marriage ligou para cerca de 250 mil residentes e foi em casas para conversar por cerca de 20 minutos sobre amor, casamento e compromisso e fazê-los repensar seus pontos de vista. "Perguntamos para as pessoas o que o casamento significava em suas vidas", disse Matt McTighe, empresário do grupo.

Na última terça-feira, os percentuais se inverteram: 53% aceitaram a proposta e 47% rejeitaram. Douglas Emmons, de 52 anos, foi um dos eleitores que votou contra em 2009 mas mudou sua ideia esse ano depois de conversar com a filha Holly e com Randy Hazelton, organizador do Mainers United for Marriage.

"Ainda é algo desconfortável; não parece muito natural. Mas creio que todo mundo deveria ter uma chance igual de se casar, se quiser", disse Emmons.

Os opositores mais fervorosos, liderados por cristãos evangélicos e católicos, prometeram redobrar sua defesa do chamado "casamento natural", comparando a questão à contínua luta contra o aborto legal. "Perdemos por margens pequenas nos bastiões do país", disse Brian S. Brown, presidente da Organização Nacional para o Casamento.

Ele observou que 30 estados têm medidas constitucionais banindo o casamento homossexual. Brown lembrou que, daqui a um ou dois anos, o estado de Indiana deve votar na medida, e disse que sua ideia vai ganhar nas urnas. No entanto, alguns conservadores questionam se o Partido Republicano deveria resistir a uma tendência aparenta crescer cada vez mais.

"A sorte está lançada nesta questão", disse Steve Schmidt, que foi conselheiro na campanha presidencial de John McCain e George W. Bush e há anos insiste que republicanos aceitem a união homossexual. "Por que deveríamos assinar um pacto suicida com a Organização Nacional para o Casamento?", questionou, ao dizer que o partido, pelo contrário, deveria endossar os princípios do federalismo e deixar os estados decidirem a questão.

Estrategistas da igualdade matrimonial dizem que a mudança no país virá das cortes, enquanto medidas restritivas serão consideradas inconstitucionais. Neste mês, a Suprema Corte americana vai decidir se deve considerar casos envolvendo o Ato de Defesa do Casamento, que proíbe programas federais de reconhecer o casamento homossexual, e a Proposição 8 da Califórnia. Mas poucos esperam que a Justiça Federal mude todo o país agora.

"A discriminação matrimonial vai acabar quando a Suprema Corte levar o país a uma resolução comum. Mas ela não costuma ser radical no início", disse Evan Wolfson, presidente do grupo Liberdade para Casar, que providenciou dinheiro e auxílio tático nas campanhas de quatro estados este ano. "Nós estamos trabalhando para construir a opinião pública e uma grande quantidade de políticas estaduais, criando o clima para que a Suprema Corte aja", disse.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.