i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ditadura

Chile começa a prender ex-agentes de Pinochet

Homens são acusados de participação da detenção, tortura e assassinato de 77 oposicionistas. Ex-ditador morreu em 2006, sem ter sido condenado por crimes do seu regime

  • PorReuters
  • 02/09/2009 15:53
Ditador chileno Augusto Pinochet foi fotografado durante memoria em setembro de 1998, em Santiago | Claudia Daut / Reuters
Ditador chileno Augusto Pinochet foi fotografado durante memoria em setembro de 1998, em Santiago| Foto: Claudia Daut / Reuters

As autoridades chilenas começaram nesta quarta-feira (2) a realizar prisões em quartéis, cumprindo uma ordem judicial contra 129 ex-agentes da polícia secreta da ditadura de Augusto Pinochet. Eles são acusados de participar da detenção, tortura e assassinato de 77 oposicionistas entre 1974 e 1977.

Esse é o mais amplo processo na história do país por delitos contra os direitos humanos ocorridos durante a ditadura (1973-90), reunindo três operações distintas de repressão a oposicionistas.

"Estamos investigando todos os que tiveram participação, sem exceção, todos os que estiveram nos quartéis, qualquer maneira pela qual tenham intervindo ou procurado favorecer a situação de impedir a liberdade das vítimas", disse a jornalistas o juiz Victor Montiglio. "Estamos muito mais próximos do final desses casos", acrescentou.

A Justiça chilena já processou ou acusou formalmente 722 ex-militares por crimes da ditadura. Desse total, 277 cumprem pena, segundo um documento oficial ao qual a Reuters teve acesso.

Fontes judiciais disseram que é possível que Montiglio ainda anuncie novos indiciamentos, fazendo com que o número de investigados no processo chegue a 200.

"Acho que é importante o que fez o ministro Montiglio ao processar hoje 129 integrantes das Forças Armadas", disse Viviana Diaz, dirigente da entidade Familiares de Detidos Desaparecidos. O pai dela foi assassinado por agentes da extinta Direção de Inteligência Nacional (Dina).

Mais de metade dos réus já vinha sendo interrogada por outros casos de crimes da ditadura, e alguns já haviam sido condenados.

Uma das operações incluídas no novo processo é a chamada Operação Condor, que consistia em uma cooperação entre diferentes regimes militares sul-americanos da década de 1970 para perseguir militantes de esquerda.

"Parece-nos muito importante para a sociedade em seu conjunto, não só para as vítimas, o avanço que pode fazer a Justiça nessa matéria," disse a jornalistas a porta-voz do governo socialista do Chile, Carolina Tohá.

Pinochet morreu em 2006, aos 91 anos, sem ter sido condenado por crimes do seu regime, quando, segundo dados oficiais, 3 mil pessoas morreram e 28 mil foram torturadas, inclusive a atual presidente, Michelle Bachelet.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.