i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Apesar das críticas

China e Vaticano renovam acordo de nomeação de bispos

    • Gazeta do Povo
    • 22/10/2020 09:54
    vaticano china
    Bandeira nacional chinesa hasteada na frente da Igreja de São José, também conhecida como Igreja Católica Wangfujing, em Pequim, em 22 de outubro de 2020| Foto: GREG BAKER / AFP

    A China e o Vaticano renovaram por mais dois anos um acordo temporário firmado em 2018 sobre a nomeação dos bispos que atuam no país asiático, segundo informaram o governo chinês e o Vaticano em notas publicadas nesta quinta-feira (22). Com este entendimento, as duas partes mantém o diálogo e o reconhecimento de que os bispos nomeados na China devem ter a aprovação do Partido Comunista Chinês e do Vaticano.

    Segundo a nota do Vaticano, o pacto tem "fundamental valor eclesial e pastoral" e que, até o momento sua aplicação foi positiva "graças à boa comunicação e colaboração entre as partes". A Santa Sé também afirmou que tem intenção de "continuar o diálogo aberto e construtivo para promover a vida da Igreja Católica e o bem do povo chinês".

    Apesar do acordo, o governo chinês continua sua campanha de perseguição aos cristãos, não permitindo o exercício da fé em locais e igrejas que não tenham recebido autorização para tal atividade, o que faz com que muitos católicos chineses atendam a missas em igrejas "clandestinas", que não têm a aprovação do regime comunista e apenas reconhecem a autoridade do papa. Isso já levou a prisões de líderes religiosos, fechamento de igrejas e de escolas consideradas confessionais. Também há um esforço para a sinização (ou chinização) das religiões por parte do governo chinês, o que levou até a uma alteração de uma passagem da Bíblia em um livro didático recentemente.

    No mês passado, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, pediu ao Vaticano que não renovasse o pacto de nomeação dos bispos, alegando que ele fez pouco para proteger os católicos das ações do Partido Comunista.

    Sobre esta crítica, a Santa Sé disse nesta quarta-feira que "alguns setores da política internacional" tentaram analisar o acordo sob uma perspectiva geopolítica, mas que ele traz "uma questão profundamente eclesiológica" e que "há a plena consciência" de que o diálogo com a China "favorece uma busca mais frutífera do bem comum em benefício de toda a comunidade internacional". "O caminho ainda é longo e com dificuldades", reconheceu a Santa Sé.

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijan, disse que o seu governo e o Vaticano "continuarão a conversar... e avançar no processo de melhorar suas relações".

    O acordo, que permanece em sigilo por estar em "fase experimental", representou um avanço depois de quase 70 anos de rompimento das relações diplomáticas entre a Santa Sé e Pequim. Antes do pacto, a insistência de longa data da China de que deveria nomear bispos conflitava com a autoridade papal.

    1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 1 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • A

      anderson

      22/10/2020 16:43:55

      Pior papa dos últimos 50 anos.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso