i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
sequestro

Colômbia e Cruz Vermelha firmam documento para receber reféns

Brasil vai ajudar no resgate dos sequestrados. Guerilha exigiu que exército colombiano nãop realize monobras no local da entrega

  • PorReuters
  • 12/03/2010 16:23

A Colômbia e a Cruz Vermelha Internacional firmaram nesta sexta-feira um protocolo com as garantias de segurança por parte do governo para a anunciada libertação de dois militares sequestrados pela guerrilha Farc e que serão entregues a uma missão humanitária.

O documento era uma exigência da guerrilha de esquerda para a libertação do suboficial Pablo Emilio Moncayo e do soldado Josué Daniel Calvo, e para a entrega dos restos do policial Julián Ernesto Guevara, morto no cativeiro.

"A assinatura deste protocolo é a evidência de que não há marcha ré, e tomara que nos próximos dias possa se dar o processo de libertação", disse a jornalistas o chefe da missão do Comitê Internacional da Cruz Vermelha na Colômbia, Cristophe Beney.

"O compromisso de todas as partes será claro, sem possibilidade de interpretação", acrescentou.

No documento, o governo se compromete a suspender operações militares na zona onde ocorrerá a entrega, o que inclui sobrevoos da Força Aérea.

A guerrilha exigiu o protocolo para evitar que se repitam as dificuldades ocorridas em fevereiro de 2009, quando ocorreu a libertação de quatro militares --operação que atrasou e esteve prestes a fracassar por causa dos sobrevoos militares na região da entrega.

As Farc anunciaram em abril de 2009 a intenção de soltar os dois reféns. Inicialmente, o governo exigiu que as Farc libertassem simultaneamente todos os militares sequestrados e acusou a guerrilha de oferecer os reféns para tentar melhorar sua imagem e voltar ao noticiário.

Posteriormente, o presidente Álvaro Uribe acabou aceitando as libertações graduais e autorizou a senadora oposicionista Piedad Córdoba, a Igreja Católica e a Cruz Vermelha a formarem uma missão humanitária.

O Brasil, que no começo de 2009 participou da entrega de outros seis reféns, emprestará helicópteros e tripulantes para receber os dois militares. Funcionários do governo brasileiro já chegaram à Colômbia para preparar a logística da operação.

"Nós nos comprometemos em nível das Forças Armadas e da polícia a cumprir com a Cruz Vermelha todo o estabelecido, o que implica uma suspensão militar e a desocupação das áreas especificadas", disse o ministro da Defesa, Gabriel Silva.

Moncayo, sequestrado pelas Farc há mais de 12 anos, é um dos reféns mais antigos na guerra civil, e também ficou conhecido graças às passeatas promovidas por seu pai, o professor Gustavo Moncayo.

As Farc mantêm 24 reféns de caráter político, que a guerrilha gostaria de trocar por centenas de militantes presos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.