Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Protesto contra “racismo sistêmico na Califórnia, EUA. Imagem ilustrativa.
Protesto contra “racismo sistêmico na Califórnia, EUA. Imagem ilustrativa.| Foto: Sheila_F/Bigstock

Se a administração Biden conseguir o que quer, o governo federal em breve estará, de uma forma ou outra, subornando e ameaçando todos os distritos escolares do país para empurrar currículos raciais divisivos e prejudiciais na sala de aula.

Esta seria uma cortesia da regra proposta pelo Departamento de Educação, disponível para comentários públicos até 19 de maio. Ao anunciar a regra, o Departamento citou o Projeto 1619 do New York Times que já foi desmascarado de modo histórico, bem como a “bolsa de estudos” de Ibram X. Kendi, cujos muitos argumentos radicais incluem a sugestão de que todas as leis do país deveriam estar sujeitas à aprovação de um conselho não eleito de acadêmicos “antirracistas”.

Mas as consequências dessa regra seriam mais do que acadêmicas. Isso infundiria a teoria crítica da raça em toda a lei governamental primária do governo federal relativa às escolas primárias e secundárias: a Lei de Educação Primária e Secundária.

Se o Congresso dos EUA padronizar as medidas cívicas estaduais, a regra ajudará a moldar o seu conteúdo (e fazê-lo com a entrada de dinheiro na casa de um bilhão de dólares por ano), e promovê-lo inadvertidamente de forma bipartidária pelos republicanos.

Inicialmente, a regra se aplicaria apenas a alguns programas de pequenos subsídios. Mas não parou por aí. Sua introdução seguiria um padrão semelhante a de outros esforços curriculares nacionais impopulares, como o chamado Common Core, que se introduziu nas salas de aula em toda a América por meio de uma abordagem de incentivo e castigo.

A teoria crítica da raça já está gerando forte resistência de pais e legislaturas estaduais, inflamados por uma série cada vez maior de ultrajes.

Na cidade de Nova York, os pais se queixaram que os alunos brancos com apenas dez anos de idade estejam aprendendo que estão perpetuando o problema do racismo e que suas famílias são racistas. Na Carolina do Norte, uma conferência de professores deu foco na "brancura" e em "textos disruptivos". Em Oregon, os professores foram encorajados a fazer “etnomatemática” para “desmantelar o racismo na matemática”. Na Califórnia, os professores foram ensinados a esconder a doutrinação da esquerda radical das famílias dos alunos.

Agora, Washington propõe contornar os pais por meio da burocracia do Departamento de Educação, uma que dará mais insumos à já florescente indústria de radicais, vigaristas e consultores, todos com a intenção de criar uma ideologia que separa estudantes de diferentes origens e separa os estudantes negros de qualquer sentimento de patriotismo por seu país.

Os estados já estão respondendo ao fechamento de escolas lideradas por sindicatos de professores (contra os pareceres científicos), propondo programas de escolha de escolas. Nada menos que trinta legislaturas estaduais estão considerando opções novas e ampliadas que capacitem os pais a usar seus dólares destinados à educação para qualquer opção de aprendizagem que melhor se adapte a seus filhos.

É imperativo que os pais sejam libertos financeiramente da dependência de escolas públicas, que ficarão tentados a aceitar as bolsas oferecidas de acordo com a regra proposta. No entanto, a escolha da escola será eficaz se os pais estiverem envolvidos - e vigilantes, porque, como os eventos recentes demonstraram, as escolas particulares não estão imunes a essa ideologia perniciosa.

Recentemente, em uma carta aberta, Paul Rossi, professor de uma escola particular na cidade de Nova York, descreveu como sua escola implementou ensinamentos “antirracistas” e como esses ensinamentos estão impactando as crianças.

Como explica Rossi, a teoria crítica da raça e seus apelos para “desfazer a história... carece de qualquer tipo de princípio limitador e associa qualquer alegação de intolerância a uma culpa a priori.”

Ou veja o caso de um pai da Brearley, Andrew Gutmann. Brearley é uma pequena escola particular de US$ 54 mil por ano que agora exige que os pais assinem uma “promessa antirracismo” antes da matrícula.

Gutmann recentemente tirou sua filha da escola e escreveu uma carta feroz sobre a natureza perniciosa da teoria crítica de raça. “Não posso tolerar uma escola que não apenas julga minha filha pela cor de sua pele, mas a incentiva e a instrui a prejulgar os outros pela deles”, disse ele em sua carta.

A luta está em toda parte. A teoria crítica da raça está colocando os americanos uns contra os outros ao transformar em arma o que costumavam ser as fantasias de professores titulares em escritórios mal iluminados numa torre de marfim, transmitindo-a agora por meio de faculdades de educação para professores que a levam para a sala de aula do ensino fundamental.

O governo Biden planeja agora dar carga máxima a esse esforço por meio de regras e regulamentos federais, acesso a bilhões em financiamento do contribuinte e o imprimatur do governo federal.

As crianças merecem coisa melhor do que o sofrimento emocional da teoria crítica da raça infligida a elas. Os pais devem ser ouvidos nos mais de quatorze mil conselhos escolares em todo o país.

Os contribuintes norte-americanos devem gritar um sonoro “não” para que seu dinheiro suado não seja usado para promover essa ideologia perniciosa. E as pessoas devem ter a coragem de falar contra esta grande ameaça aos Estados Unidos

Lindsey M. Burke é diretora do Centro de Políticas Educacionais da Heritage Foundation. Inez Feltscher Stepman é analista sênior de políticas do Independent Women’s Forum.

©2021 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.
7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]