i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Segunda Onda

Coronavírus: Reino Unido anuncia novas restrições e pacote de 1 bilhão de libras

    • Estadão Conteúdo
    • 12/10/2020 16:39
    boris-johnon-primeiro-ministro-reino-unido
    Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido| Foto: Tolga Akmen/AFP

    Nesta segunda-feira (12) o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou um novo plano de restrições para conter o crescimento de casos de Covid-19 no Reino Unido. O sistema vai classificar as regiões do país em três níveis de alerta: médio, alto e muito alto. As novas diretrizes serão debatidas e votadas na terça-feira (13) e devem entrar em vigor na quarta-feira, dia 14. Johnson informou também sobre a liberação de um novo pacote financeiro no valor de 1 bilhão de libras para apoiar as áreas mais afetadas pelo avanço da doença.

    Quanto aos níveis de classificação do plano de restrições, o primeiro nível (médio) vai incluir a maior parte da Inglaterra, inicialmente. As regras para essa categoria são as já vigentes no país, como o máximo de seis pessoas por grupo em pubs e o funcionamento desses estabelecimentos somente até as 22h.

    A segunda classificação (alta) restringe confraternização interna entre pessoas de diferentes famílias. O alerta mais grave (muito alto) prevê medidas mais rígidas, como o fechamento de todos os bares e pubs para regiões em que a doença está se espalhando de forma mais rápida.

    O líder britânico destacou que, no momento, existem mais pessoas hospitalizadas no Reino Unido do que quando o país entrou em lockdown no mês de março, e que os números continuam aumentando – mas descartou a possibilidade de medidas mais extremas. "Eu discordo que nós devemos ter mais um lockdown completo", afirmou. Até agora, o país registra 603.716 casos de covid-19 e 57.347 mortes.

    O primeiro-ministro afirmou que o governo busca alcançar o máximo de consenso possível sobre os pontos mais severos, por isso trabalhará com as autoridades locais para analisar medidas adicionais que possam ser tomadas. "Isso pode levar a mais restrições nos setores de hospedagem, lazer, entretenimento ou cuidados pessoais. Mas comércio de varejo, escolas e universidades permanecerão abertos", disse Johnson.

    França e Itália

    A expectativa é de que outros países europeus, como França e Itália, também adotem medidas restritivas. O primeiro-ministro francês, Jean Castex, reconheceu nesta segunda-feira (12) tal possibilidade. Ao ser perguntado sobre novas regras para fechamento do comércio e ordens para que os cidadãos permaneçam em casa, ele afirmou que "nada pode ser descartado, diante do que temos visto em nossos hospitais", mas considera ser possível evitar um novo lockdown nacional.

    A França registrou o recorde de 27 mil novos casos no último sábado (10) e 16 mil mo domingo, 11, aponta reportagem do The Guardian. O país soma 734.974 infecções e 32.683 mortes até o momento, segundo dados do Ministério de Saúde francês.

    No domingo, em entrevista à emissora estatal RAI, o ministro da Saúde italiano, Roberto Speranza, também falou sobre novas medidas. "Depois de muitas semanas em que relaxamos as malhas da rede, agora somos obrigados a apertá-las", disse. De acordo com casos da Organização Mundial de Saúde (OMS), a Itália possui 354.950 casos da doença e 36.166 óbitos.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.