i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Pandemia

Covid: Argentina ultrapassa 1 milhão de casos e taxa de mortes sobe

  • 20/10/2020 10:57
argentina covid
Trabalhadores de uma escola de ensino médio verificam a temperatura de uma estudante na volta às aulas em Buenos Aires, Argentina, 13 de outubro de 2020| Foto: JUAN MABROMATA/AFP

A Argentina ultrapassou a marca de um milhão de casos de Covid-19 nesta segunda-feira (19), de acordo com dados compilados pela Universidade Johns Hopkins. O número coloca o país entre os cinco mais afetados pela pandemia, depois de Estados Unidos, Índia, Brasil e Rússia. Mas outros dados também preocupam os argentinos.

Em outubro o país passou a registrar uma das maiores taxas diárias de mortes por Covid-19 por população no mundo: 9,93/milhão de habitantes, segundo o site Our World In Data. O número de mortes está duplicando em 29 dias e o de casos em 40 dias. A cada 10 testes realizados, 7 resultam positivos, um índice de positividade muito acima dos 5% recomendado pela Organização Mundial da Saúde para indicar que a pandemia está sob controle.

A taxa de mortes total por população também está aumentando rapidamente: são cerca de 591 óbitos por milhão de habitantes - acima da taxa registrada na Suécia (582/milhão), país que o presidente argentino Alberto Fernández usou como exemplo para alertar sobre os riscos que os argentinos corriam se o governo não implementasse confinamentos. No início deste mês a taxa de total de óbitos por Covid-19 na Argentina era de 365 por milhão de habitantes.

O agravamento da pandemia no país vizinho se deve a uma interiorização do vírus. De acordo com gráficos do jornal argentino, enquanto os casos registrados diariamente estão diminuindo na região metropolitana de Buenos Aires e na província de Buenos Aires – o território mais afetado pela Covid-19 nos primeiros meses da pandemia e onde o confinamento foi mais rígido – as demais províncias estão com a curva epidemiológica em ascensão. As grandes cidades do interior, como Mendoza, Rio Negro e Córdoba, registraram um forte aumento de casos desde setembro.

Um dos infectologistas que está assessorando o governo argentino disse, em entrevista ao La Nacion nesta segunda-feira, que o efeito do confinamento acabou se desgastando pelo cansaço da população e pelas mensagens "antiquarentena". "Também faltou uma política de busca de contatos mais enérgica porque a quarentena por si só não resolve o problema, os contatos deveriam ter sido isolados e testados para se antecipar ao vírus", explicou Pedro Cahn, diretor científico da Fundación Huésped, ao jornal argentino.

Adolfo Rubinstein, ex-ministro da Saúde no governo de Maurício Macri, ponderou, em um comentário no Twitter, que "o isolamento só funciona" por um curto período de tempo, a fim de preparar o sistema de saúde, e que precisa "ser acompanhado de medidas ativas para cortar a cadeia de infecções". "Assim, vidas e empregos são salvos", concluiu.

Neste momento, não há quarentenas tão rígidas como a implantada por Fernández no início da pandemia, mas há restrições de circulação pontuais e obrigatoriedade do uso de máscaras em território nacional. Em Buenos Aires, algumas escolas privadas estão retomando as aulas presenciais, seguindo protocolos sanitários definidos pelo Ministério da Educação.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • A

    Araucária

    ± 2 horas

    As tiranetes do Covid daqui vão ficando sem argumentos.....tem um colunista da GP chegadinho num peronista progressista que esses dias fez um textão 4 páginas tentando justificar o que acontece por lá....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • A

      Alexandre Paranaense

      ± 5 horas

      O sistema de tomar medidas baseado nas cores laranja, amarelo, etc., parece ser o mais indicado. Nem tanto ao céu nem tanto à terra.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • W

        Wendell

        ± 6 horas

        Maravilhas que só o socialismo pode produzir. Há meses atrás este governo socialista estava criticando as medidas brasileiras. Hoje, nós estamos em franca retomada e eles afundando. Quem é o genocida agora? Resposta óbvia, o genocida é sempre o modus socialista...

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • D

          Denis

          ± 8 horas

          Há uma semana, venho acompanhando os casos da Argentina. Foi nesse final de semana que a Argentina ultrapassou a Suécia em número de mortes por milhão. De ontem para hoje, ultrapassou também San Martinho e Colômbia. Mais uns dois dias, ultrapassa a Itália.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • Z

            Zyss

            ± 9 horas

            Normal pohha. Trancaram o vírus no lockdown, agora ele caminha livremente. O lockdown só atrasou a vida de todos, menos os funcionários públicos e os grandes que abriram por decisões judiciais.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • M

              Maquiavel

              ± 9 horas

              A Argentina caminha a passos largos em direção a venezuelização

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              Fim dos comentários.