Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

lei islâmica

Cristãos são flagelados na Indonésia por participar de jogo infantil

Casal foi açoitado em um tablado, em via pública, com a presença de cidadãos e turistas. Segundo o prefeito, punição tem por objetivo inibir a violação da lei islâmica

  • Da Redação com agências
Durante a flagelação, mulher tentou esconder o rosto em um hijab emprestado | Chaideer Mahyuddin/AFP
Durante a flagelação, mulher tentou esconder o rosto em um hijab emprestado Chaideer Mahyuddin/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Dois cristãos indonésios foram flagelados publicamente na conservadora província indonésia de Aceh, nesta terça-feira (27), por terem jogado um jogo de entretenimento para crianças proibido por, supostamente, violar a lei islâmica.

Dahlan Silitonga, 61, e Tjia Nyuk Hwa, 45, foram açoitados seis e sete vezes, respectivamente. O jogo proibido é um game infantil que permite aos usuários trocar moedas por prêmios ou comprovantes, inclusive em dinheiro.

Cerca de 300 espectadores, entre cidadãos e turistas, ridicularizaram e tiraram fotos do casal que estava com outras três pessoas – um casal chicoteado duas dúzias de vezes por demonstrar carinho em público e um terceiro que também estava envolvido no jogo –, todos amarrados em um bastão de vime, em cima de um tablado improvisado.

Leia também: Trump teria elogiado Cingapura pela política de execução de traficantes de drogas

Aceh é a única província da Indonésia, o país mais populoso de maioria muçulmana do mundo, que impõe a lei da sharia e as pessoas podem ser flageladas por uma série de ofensas – desde participar de jogos de azar, beber álcool ou por relações sexuais fora do casamento ou homossexuais.

“É preciso criar um efeito inibidor, para que as pessoas não repitam violações da lei da sharia islâmica”, disse o prefeito de Banda Aceh, Aminullah Usman. “Nós propositadamente fazemos isso em público, para que não ocorra de novo”.

O público presente na flagelação gritava impropérios aos dois. “Vocês são velhos para isso, mostrem que se arrependeram”, gritou a multidão.

Tjia Nyuk Hwa tentou esconder seu rosto em um hijab emprestado.

Os dois cristãos estão entre um punhado de não muçulmanos que estão sujeitos à lei religiosa de Aceh, uma vez que foi firmado um acordo em 2001 para tentar evitar insurgências. Em janeiro, um cristão indonésio foi flagelado por vender álcool na província na ponta da ilha de Sumatra. Também, no começo deste ano, um grupo de mulheres transgênero sofreram retaliações da polícia local.

Cerca de 98% dos cinco milhões de habitantes de Aceh são muçulmanos sujeitos à lei religiosa. Os não muçulmanos que cometerem uma infração contra as leis nacionais e religiosas podem escolher a flagelação para evitar um processo judicial ou ir para a cadeia.

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Mundo

PUBLICIDADE