Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Premiê francês, Manuel Valls, expressou preocupação com a ameaça de saída do Reino Unido da União Europeia | FABRICE COFFRINI/AFP
Premiê francês, Manuel Valls, expressou preocupação com a ameaça de saída do Reino Unido da União Europeia| Foto: FABRICE COFFRINI/AFP

Um crescimento global que corre o risco de descarrilar, uma economia chinesa preocupante, um contexto geopolítico marcado por ataques quase diários e a crise migratória dominaram o primeiro dia de trabalhos do Fórum Econômico Mundial de Davos.

Desfragmentação da União Europeia

A União Europeia (UE) enfrenta o perigo de “deslocamento” nos “próximos meses” por causa das diversas crises que ameaçam o bloco, advertiu nesta quinta-feira (21) o primeiro-ministro francês Manuel Valls em Davos.

A crise dos refugiados, a ameaça dos atentados ou a possível saída do Reino Unido do bloco são perigos que “podem levar o projeto a um deslocamento, não dentro de alguns anos, nem décadas, e sim nos próximos meses”, declarou Valls.

Em Davos, Manuel Valls se encontrará com o primeiro-ministro britânico David Cameron, que explicará à elite econômica mundial seus planos para renegociar o espaço do Reino Unido dentro da UE, um projeto que depois ele pretende submeter a seus compatriotas em um referendo.

Um ‘Brexit’, como é chamada a possível saída britânica da UE, “seria algo sem dúvida ruim”, disse Valls. “É necessário existir um acordo, mas não a qualquer preço”, completou.

Para obter o acordo, a UE prepara uma reunião de cúpula em fevereiro. “Penso que vamos precisar de mais tempo. As negociações acabam de começar. Além dos discursos, é necessário poder fazer isto sobre bases concretas específicas”, opinou Valls.

A segurança foi reforçada neste ano no pequeno vilarejo da cidade suíça onde se reúnem 2.500 chefes de governo e empresários, entre eles o vice-presidente americano, Joe Biden, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

O tema oficial desta reunião é a “quarta revolução industrial”, que poderia transformar a economia global, mas “como muitas vezes em Davos, o assunto é permeado por eventos mundiais e o que prende a atenção de todos é o que está acontecendo na China, onde o crescimento está desacelerando”, afirma o economista-chefe da empresa britânica IHS, Nariman Behravesh.

“Todos sabemos o que acontece no Davos público, o que é diferente do Davos privado. É no Davos privado que (os líderes) vão falar”, explicou Behravesh.

Foi em Davos, no passado, que se decidiram grandes rodadas de negociação comercial e onde, muitas vezes, deu-se uma nova oportunidade para a paz em regiões de tensão do planeta. “Há 46 anos (quando começaram os encontros de Davos), não me lembro de ter tido de enfrentar tantos problemas ao mesmo tempo”, declarou o presidente-executivo e fundador do Fórum, o suíço Klaus Schwab.

Na terça-feira, Pequim publicou os números de seu crescimento em 2015, o menor em 25 anos (6,9%). O Brasil continuará em recessão em 2016, segundo as últimas perspectivas do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Como alertou o Fundo ontem, a desaceleração chinesa e dos países emergentes em geral pesa sobre o aumento do PIB global e, desta forma, é o conjunto da economia mundial que corre o risco de “descarrilar”.

Esta situação tensa também afeta os mercados financeiros, que experimentam um período de alta volatilidade, assim como os preços do petróleo e das matérias-primas, que estão em seu mais baixo patamar.

“É preciso desendividar o sistema financeiro. Atualmente ainda há entre 40 e 80 trilhões (de dólares) em produtos derivados, similares aos que levaram o mundo à beira da quebra em 2008”, advertiu em um dos debates desta quarta-feira o investidor americano Paul Singer, da Elliott Management.

Crise migratória

O Fórum, que organiza dezenas de debates por dia, analisará com alguns dos melhores especialistas mundiais como lutar contra o extremismo e como oferecer uma solução à grave crise migratória vivida pela Europa.

Nesta quarta-feira, pelo menos 21 pessoas morreram em um ataque dos talibãs contra uma universidade no Paquistão. A ameaça extremista se mistura com a onda de migrantes que chega à Europa diariamente. “Me preocupa muito o que está acontecendo na África e seu impacto nos fluxos (de imigrantes) em direção ao norte, à Europa”, declarou em um debate o ex-comandante da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na Europa, o general James Stavridis.

“A onda de refugiados constitui um grave problema para a capacidade de absorção dos mercados de trabalho da União Europeia e põe os sistemas políticos à prova”, alertou o FMI na véspera.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]