i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
eleições

Deputadas argentinas da oposição denunciam escutas ilegais do governo

    • buenos aires (argentina)
    • Folhapress Web
    • 21/10/2015 13:27
    Aparato do governo de Cristina Lirchner é envolvido em denúncia de espionagem | MARCOS BRINDICCI/REUTERS
    Aparato do governo de Cristina Lirchner é envolvido em denúncia de espionagem| Foto: MARCOS BRINDICCI/REUTERS

    Duas deputadas da oposição denunciaram nesta terça (20) à Justiça que políticos, jornalistas, juízes e intelectuais argentinos estariam sendo espionados ilegalmente pelo aparato do governo da presidente Cristina Kirchner.

    A denúncia foi feita por Patricia Bullrich e Laura Alonso, duas deputadas aliadas ao opositor Mauricio Macri, que concorre à Presidência pela coligação Mudemos. A eleição argentina ocorre no próximo domingo (25).

    No documento entregue à Justiça, em que solicita a apuração da suspeita, a deputada Laura Alonso afirma que tomou conhecimento do suposto grampo por uma ligação de uma pessoa que se identificou como membro do serviço de inteligência.

    Votos peronistas decidirão as eleições argentinas

    A campanha pela sucessão de Cristina Kirchner confirmou que o peronismo, movimento político surgido há exatos 70 anos, continua dominando, de forma clara e contundente, o cenário político local. T

    Leia a matéria completa

    Segundo seu relato, essa pessoa lhe entregou um envelope com uma lista de pessoas que estavam sob vigilância.

    As duas deputadas seriam alvo do suposto grampo, assim como Macri, seu marqueteiro, Jaime Durán Barba, economistas e políticos aliados. Também estão na lista os nomes dos presidenciáveis Sergio Massa, Margarita Stolbizer e Adolfo Rodriguez Saá.

    De acordo com a denúncia, além da suposta escuta telefônica, a vigilância incluiria o monitoramento das mensagens no aplicativo Whatsapp, em e-mail e em mensagens de texto nos celulares.

    A extensa relação, de 11 páginas, também indica espionagem nos telefones de todos os integrantes da Suprema Corte argentina, de juízes que investigam causas sensíveis ao governo e de inúmeros jornalistas do “Clarín”, do “La Nación” e do canal de TV TN.

    Empresários e sindicalistas também estariam sendo espionados.

    Não há nenhum integrante do governo ou simpatizante do kirchnerismo na lista apresentada. Segundo frisa a deputada em sua denúncia, todos os supostamente vigiados têm opinião crítica ao governo de Cristina Kirchner. “O padrão comum de todos os espiados é que mantêm posições críticas ou independentes ao governo nacional”.

    Scioli representa “único peronismo”, diz militante parente de Perón

    Existe apenas um peronismo e ele será representado por Daniel Scioli nas próximas eleições presidenciais.

    Leia a matéria completa

    No documento entregue à Justiça, as deputadas solicitam a investigação de um suposto centro de monitoramento montado a menos de dois quilômetros do Congresso Nacional do país.

    Em entrevista ao canal de TV TN, a deputada Patricia Bullrich lamentou que a denúncia se tornasse pública neste momento e sugere que houve vazamento no tribunal federal de Comodoro Py. “Queríamos que ficasse no âmbito da Justiça para que se chegasse à verdade”, disse ela, dizendo temer que o aparato de vigilância seja desmontado antes de uma ação policial.

    Ela afirmou que, sob o comando do general reformando César Milani, o Exército montou um esquema de vigilância de civis que serviria ao governo contra seus adversários.

    Entre os espionados, segundo a deputada, está a ex-mulher do promotor Alberto Nisman, morto em janeiro em um caso sem explicação.

    Os telefones da juíza Sandra Arroyo Salgado, do ex-espião Antonio Jaime Stiuso - que seria informante de Nisman na investigação que fazia contra o governo Kirchner - e de inúmeros parentes do ex-chefe da inteligência argentina estariam entre os vigiados.

    Procurada, a assessoria de imprensa do Exército argentino disse que não se pronunciaria.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.