Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Havana, capital de Cuba
Havana, capital de Cuba| Foto: Pixabay

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) afirmou que nem a chegada ao poder do presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, que assumiu em abril de 2018 substituindo Raúl Castro, nem a nova constituição, promulgada em abril passado, favoreceram a democracia ou o respeito aos direitos humanos no país. As conclusões são de um relatório feito com dados de 2018 e apresentado na terça-feira (18) em Miami, Estados Unidos, segundo a agência de notícias EFE.

Após a apresentação do relatório anual, a relatora de Cuba na CIDH, Antonia Urrejola, disse que persistem as mesmas demandas que este organismo da Organização dos Estados Americanos (OEA) faz há décadas. O embaixador dos Estados Unidos na OEA, Carlos Trujillo, afirmou que a ilha "nunca poderá se incorporar a este sistema interamericano, que se baseia nos princípios de direitos humanos e democracia".

A CIDH apontou que as vozes contrárias ao governo acabam sendo suprimidas frente à existência de um partido único, e que limitações a direitos fundamentais continuam acontecendo, como a proibição de associação com fins políticos e arbitrárias restrições à liberdade de expressão.

Ainda, o organismo disse que persiste a "perseguição seletiva e deliberada contra jornalistas que difundem informações e opiniões sobre temas de interesse público que o Estado considera contrárias ao seu discurso" e adverte "com preocupação uma intensificação dos processos de criminalização de ativistas".

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]