i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tática

Dirigente de ONG expulso da Venezuela acusa Hugo Chávez de "intolerância"

Ordem do presidente só confirma diagnóstico de relatório, diz Vivanco. Governo venezuelano argumenta que houve violação da Constituição

  • PorG1/Globo.com
  • 19/09/2008 15:19
Chávez, por meio de nota, informou que expulsou os dirigentes da Human Rights Watch por declarações que "violaram a Constituição e as leis da Venezuela" | Edwin Montilva / Reuters
Chávez, por meio de nota, informou que expulsou os dirigentes da Human Rights Watch por declarações que "violaram a Constituição e as leis da Venezuela"| Foto: Edwin Montilva / Reuters

O diretor para as Américas da Human Rights Watch, José Miguel Vivanco, disse nesta sexta-feira (19) em São Paulo que sua expulsão da Venezuela demonstra a "intolerância" do governo do presidente Hugo Chávez.

"A ordem de Chávez que nos força a sair do país nestas circunstâncias demonstra o conteúdo do nosso relatório, que fala da intolerância do governo frente à crítica", disse a jornalistas.

O governo venezuelano expulsou nesta quinta-feira à noite Vivanco e seu assistente, Daniel Wilkinson, e os embarcou em um avião com destino a São Paulo, acusando-os de violar a Constituição e de se imiscuir em assuntos do país, depois da divulgação de um relatório que acusava o governo Chávez de intolerância. Eles devem seguir na noite desta sexta-feira para Washington, para a sede da entidade. Vivanco disse que a expulsão é uma tática comum do governo venezuelano, "que em situações delicadas distrai a opinião pública desqualificando o mensageiro como um golpista, como parte de uma conspiração, ou um boneco de algum outro governo."

O ativista qualificou de "muito grave" a expulsão, porque "desgraçadamente marca um precedente muito negativo e envia uma mensagem que pode intimidar a aqueles que se dedicam a promover e defender os direitos humanos na Venezuela".

"Chávez pode ter expulsado o mensageiro, mas simplesmente reforçou a mensagem: as liberdades civis na Venezuela estão em perigo", disse Kenneth Roth, diretor-executivo da organização, em um comunicado.

Expulsão

A Venezuela expulsou na noite desta quinta (18) o diretor latino-americano do Human Rights Watch pouco depois da divulgação do informe.

As expulsões foram confirmadas pela Agência Bolivariana de notícias. Mais tarde, a TV estatal mostrou as imagens do funcionário deixando o país.

A nota oficial diz que o governo decidiu pela expulsão dos dois dirigentes do HRW depois que declarações de Vivanco "violentaram a Constituição e as leis da Venezuela, e agrediram as instituições da democracia venezuelana". Segundo o comunicado, o HRW "interferiu ilegalmente nos assuntos internos do país".

Através de comunicado, o governo notificou os dois representantes do HRW sobre "a obrigação de abandonar de maneira imediata a pátria do libertador Simon Bolívar".

Nesta quinta, a ONG apresentou em Caracas um informe de cerca de 300 páginas em que inclui críticas ao presidente Chávez. O HRW informou sobre um "desrespeito do presidente por direitos fundamentais" no país. O documento leva o título de "Uma década de Chávez: intolerância política e oportunidades perdidas para o progresso dos direitos humanos na Venezuela".

"Nos preocupa muito a situação na Venezuela. Nos preocupa que o debate político se dê em um contexto onde há instituições políticas tão débeis", informou o HRW.

Vivanco leu um resumo do informe, no qual advertia para "o manifesto desprezo do princípio de separação de poderes, e em especial da idéia de um Poder Judiciário independente por parte das autoridades".

"Em seus esforços para conter a oposição política e consolidar seu poder, o governo do presidente Hugo Chávez tem debilitado as instituições democráticas e as garantias dos direitos humanos na Venezuela", denuncia a HRW.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.