Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Na foto, Jan Jambon e Koen Geens | Thierry Charlier/AFP
Na foto, Jan Jambon e Koen Geens| Foto: Thierry Charlier/AFP

Os ministros do Interior e da Justiça belgas, Jan Jambon e Koen Geens, apresentaram nesta quinta-feira (24) sua renúncia ao primeiro-ministro belga, Charles Michel, por “erros” vinculados à vigilância de um dos homens-bomba dos atentados de Bruxelas, informou a imprensa belga. Os pedidos foram rejeitados.

Polícia identifica três suspeitos de participação nos ataques em Bruxelas

Leia a matéria completa

“Confirmo que apresentei minha renúncia”, declarou o ministro do Interior, Jan Jambon, citado pelo jornal Le Soir. O ministro da Justiça, Koen “Geens também. Os pedidos foram rejeitados”, acrescentou, explicando que houveram “erros da Justiça e de um oficial (belga) na Turquia”.

Autoridades belgas enfrentam constrangimento depois de a Turquia ter afirmado na quarta-feira que deportou no ano passado Ibrahim El Bakraoui, um dos autores dos atentados contra o aeroporto internacional de Bruxelas e uma estação de metrô.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, garantiu que alertou a Bélgica sobre a origem militante de Bakraoui.

“A Bélgica ignorou o nosso aviso de que esta pessoa é um lutador estrangeiro — afirmou Erdogan na quarta-feira.

Enquanto Ibrahim se explodiu no aeroporto, seu irmão, Khalid, detonou seus explosivos na estação de metrô. Os atentados deixaram ao menos 31 mortos e 300 feridos, colocando em xeque a eficácia dos serviço de segurança belga.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]