Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Estudantes palestinas fazem vigília na cidade de Ramallah para pedir fim a ofensiva israelense na Faixa de Gaza | Abbas Momani / AFP Photo
Estudantes palestinas fazem vigília na cidade de Ramallah para pedir fim a ofensiva israelense na Faixa de Gaza| Foto: Abbas Momani / AFP Photo

Israel mantém proibição aos jornalistas estrangeiros de entrar em Gaza

Leia a cobertura completa sobre a ofensiva na Faixa de Gaza:

> Solidariedade supera divisão entre palestinos

> Hamas discute plano de trégua com o Egito, diz fonte

> Olmert determina criação de corredor humanitário em Gaza

> Al Qaeda prega ataques a alvos de Israel e do Ocidente

> Assessor de Lula chama ação de Israel de "terrorismo de Estado"

> Chávez acusa o mundo de se calar ante "Holocausto" palestino

> Egito propõe cessar-fogo imediato entre Israel e palestinos na Faixa de Gaza

> Obama rompe silêncio sobre Gaza e se diz preocupado

> "Rezem por mim", pede jornalista palestino preso em Gaza

> Família brasileira vive "prisão" dentro de casa em Israel

> Voluntários vão tentar viajar até Gaza para ajudar civis

> Brasil enviará 14 toneladas de alimentos e remédios a Gaza

> Ataque a escola da ONU na Faixa de Gaza foi resposta a fogo inimigo

> Ataque israelense mata 42 em escola da ONU

> Israel rejeita a pressão externa e intensifica ofensiva contra Hamas

> Exército israelense anuncia ter matado 130 combatentes do Hamas em Gaza

> Israel define condição-chave para cessar-fogo em Gaza

> Tanque dispara por engano, mata três e fere 24 soldados israelenses

> Batalha continua noite adentro na Faixa de Gaza

> Chávez acusa Israel de realizar "massacre" em Gaza

> Amorim propõe à chanceler israelense reunião para discutir cessar-fogo em Gaza

> Embaixador palestino no Brasil diz que não haverá rendição a Israel

> Colonos judeus retirados da Faixa de Gaza voltam à região como soldados

> Obama evita comentar sobre conflito na Faixa de Gaza

> Israel rejeita observadores na fronteira com Gaza

> Sarkozy, em missão de paz, pede cessar-fogo para Gaza

> Israel mantém ataques em Gaza e pelo menos 14 crianças são mortas

> Blogueiros contam o terror da guerra direto da Faixa de Gaza

> Gaza precisa de comida, remédio e sacos para corpos, dizem agências

> Israel ainda não atingiu seu objetivo em Gaza, diz ministro

> Israel divide Faixa de Gaza em duas

> Brasileiros relatam o terror de viver em Gaza e em Israel

> Milhares protestam contra ataques a Gaza no Líbano e na Turquia

> Israel teme "bomba demográfica"

> "O Hamas é responsável pelo sofrimento dos palestinos em Gaza", diz Sarkozy

> Tropas de Israel dividem Faixa de Gaza em dois e isolam maior cidade

> Ofensiva de Israel começa a entrar na cidade de Gaza

> Israel admite tomar áreas palestinas e tenta dividir a Faixa de Gaza

> Ofensiva terrestre deixa 30 militares israelenses feridos e 4 palestinos mortos

> Campanha na Faixa de Gaza não será curta, adverte Israel

> Liga Árabe: Conselho de Segurança da ONU ignora ataque a Gaza

> Milícias palestinas disparam ao menos 15 foguetes contra Israel, dizem militares

> Milhares de europeus protestam contra Israel

> Israel ataca importante instituição de ensino na Faixa de Gaza

> Apesar de violência, brasileiros na Faixa de Gaza "não querem voltar" para o Brasil

> Israel diz ter matado outro líder do Hamas

> Após uma semana, Israel amplia ofensiva

> Israel mata líder do Hamas e ministra descarta cessar-fogo

> Irã adverte Israel contra invasão de Gaza; protestos se espalham

> Ofensiva israelense completa uma semana sem previsão de acabar

> Israel tem direito a se defender do Hamas, mas deve poupar civis, diz Casa Branca

> Cresce pressão por cessar-fogo, mas Israel mantém ataques

> Muçulmanos em Curitiba e Foz do Iguaçu pedem fim do conflito com Israel

> Israel diz que ofensiva abalou o Hamas, mas nega crise humanitária

> Governo brasileiro busca viabilizar ajuda solicitada por palestinos

> Israel diz que meta é destruir todos túneis entre Gaza e Egito

> Israel diz que "guerra total" ainda está em seu primeiro estágio

> Manifestantes pró-palestinos protestam em frente a casa de Obama

> Brasil vai enviar medicamentos para Faixa de Gaza

> "Campos de refugiados na Faixa de Gaza são como uma favela", diz médico

> Ofensiva israelense destrói um terço do arsenal do Hamas, diz TV

> Lula manda Celso Amorim convocar reunião para mediar conflito entre Israel e Hamas

> Israel declara "guerra total"

> "Nossas crianças e jovens estão crescendo com um sentimento de ódio"

> De férias no Brasil, israelense teme ter de retornar

> Ofensiva aérea não poupa nem mesquita

> Gaza vai repetir derrota israelense no Líbano, diz cientista político palestino

> ONU diz que 57 civis estão entre os mortos em Gaza; Israel prepara ataque terrestre

> Entenda o conflito na Faixa de Gaza

> Governo brasileiro pede a Israel fim de bombardeios à Faixa de Gaza

> 60 anos de conflitos

> Israel prepara ofensiva terrestre

> Milhares protestam no mundo árabe

> Operação está só no início, afirma porta-voz

> Israel anuncia que vai convocar reservistas para ação militar em Gaza

O Egito anunciou nesta terça-feira (6) que está propondo um cessar-fogo imediato entre Israel e os palestinos na Faixa de Gaza, que seria seguido de conversações para um acordo de longo prazo entre os dois lados em conflito. As negociações incluiriam o fim do bloqueio à região palestina dominada pelo Hamas.

O presidente do Egito, Hosni Mubarak, apresentou a proposta em um comunicado breve depois de conversar com o presidente da França, Nicolas Sarkozy, na cidade egípcia de Sharm el-Sheikh.

"O presidente Mubarak convida principalmente o lado israelense para discutir a questão da segurança de fronteiras sem demora", disse Sarkozy.

A proposta aparece após 11 dias de bombardeios de Israel a Gaza, que já provocaram 635 mortes e deixaram ao menos 2.900 feridos no território palestino. Do lado de Israel, 4 civis morreram atingidos por foguetes do Hamas, e cinco militares morreram depois da invasão de Gaza por terra, ocorrida no último sábado (3).

A comunidade internacional já havia feito vários pedidos pela trégua imediata, mas todos foram refutados por Israel, que diz estar defendendo a segurança de suas cidades. Ao mesmo tempo, a situação humanitária em Gaza agrava-se, segundo entidades e testemunhas.

Ataque a escolas da ONU mata mais de 40

O porta-voz do premiê de Israel disse nesta terça que o ataque do Exército israelense a uma escola da ONU que matou pelo menos 40 pessoas em Jabalia, no norte da Faixa de Gaza, foi uma resposta a fogo inimigo vindo de dentro do prédio.

"Os primeiros elementos de que dispomos dizem que houve disparos hostis contra uma de nossas unidades a partir do prédio da ONU. Nossa unidade respondeu", declarou à France Presse o porta-voz do governo israelense, Mark Regev.

O porta-voz destacou que, no passado, os grupos armados palestinos usaram edifícios da Agência da ONU para os Refugiados da Palestina em Gaza para lançar ataques ou armazenar armas. "Não sabemos se esse foi o caso, verificaremos", insistiu.

Duas escolas da ONU foram atingidas nesta terça em Gaza por ataques israelenses, segundo testemunhas e fontes médicas palestinas.

No campo de refugiados de Jabalia, no norte do território palestino, pelo menos 40 pessoas morreram e "dúzias ficaram feridas" depois que duas bombas foram lançadas próximo ao prédio. Entre as vítimas, estão pessoas que tentavam se abrigar de ataques e moradores locais.

Um funcionário da ONU em Gaza disse que a escola estava claramente demarcada com uma bandeira da organização internacional e que sua localização havia sido comunicada às autoridades de Israel. John Ging, diretor de operações da agência humanitária da ONU que presta ajuda aos palestinos, disse que 30 pessoas morreram e outras 55 ficaram feridas (5 delas em estado crítico) no ataque.

Mais cedo, um ataque aéreo israelense havia matado três palestinos em outra escola administrada pelas Nações Unidas no campo de refugiados de Chati.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse estar "profundamente consternado" pelos ataques e voltou a pedir um cessar-fogo.

Combates em terra

A Faixa de Gaza era cenário nesta terça de confrontos intensos em terra entre soldados israelenses e combatentes palestinos do Hamas, e continuou sendo alvo, pelo décimo-primeiro dia, de violentos bombardeios por parte de Israel.

O Exército de Israel informou que matou ao menos 130 combatentes do Hamas desde o início da ofensiva terrestre, sábado à noite. "Nossos soldados atuam perfeitamente, progridem segundo os planos", disse o general Gaby Ashkenazi, chefe do Estado-Maior israelense, ao anunciar a evolução da ofensiva iniciada em 27 de dezembro pelo Estado de Israel contra o movimento radical islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza.

A manhã desta terça registrou combates e bombardeios em várias áreas da Faixa de Gaza, depois dos primeiros combates urbanos na cidade de Gaza, na noite de segunda-feira.

Pelo menos 12 membros de uma família, sete deles crianças, morreram em Gaza alvo de um bombardeio, segundo fontes médicas e testemunhas.

Em Khan Yunes, maior cidade do sul da Faixa de Gaza, um obus de artilharia atingiu a entrada de uma escola e matou duas pessoas, segundo uma fonte médica.

Pouco antes do amanhecer, tanques israelenses, apoiados por helicópteros de combate, entraram em Khan Yunes pela primeira vez desde o início da ofensiva terrestre, afirmaram testemunhas à AFP.

Os avanço dos blindados neste reduto do Hamas foi alvo dos tiros de combatentes palestinos.

No mesmo período, cinco militares israelenses faleceram e 79 ficaram feridos, segundo o balanço oficial de Israel. O último deles, um oficial para-quedista, morreu na noite de segunda-feira em circustâncias ainda não determinadas. O oficial pode ter sido, inclusive, atingido por fogo amigo. Desde o início da ofensiva, quatro israelenses foram mortos atingidos por foguetes palestinos em cidades de Israel.

Um foguete palestino caiu nesta terça-feira pela primeira vez a mais de 45 km da Faixa de Gaza, na cidade de Gedera, onde deixou um bebê levemente ferido.

Testemunhas informaram durante a noite que aconteceram combates e intensos bombardeios em Shuyaiya e em Zeitun, dois bairros do leste da cidade de Gaza, cercada pelos tanques. A aviação israelense também bombardeou o centro da cidade.

O Exército, que afirmou ter capturado dezenas de membros de Hamas, anunciou ainda ter bombardeado o campo de refugiados de Bureij e a cidade de Deir al-Balah, no centro do território, dividida em duas pelas tropas israelenses.

A situação humanitária é cada vez pior para o 1,5 milhão de habitantes da Faixa, onde muitas áreas estão sem energia elétrica e sofrem com a falta de água corrente, alimentos e combustível.

Segundo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, os feridos morrem à espera das ambulâncias que não podem se aproximar por causa dos combates. O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) pediu a abertura das fronteiras para permitir a fuga dos palestinos que desejarem sair.

Pressão pela paz

A pressão internacional por uma trégua imediata cresce, e até os EUA, apesar de responsabilizarem o Hamas pelo início das agressões, pediram um cessar-fogo "duradouro".

Nesta terça, a secretária norte-americana de Estado, Condoleezza Rice, informou que conversaria com o presidente palestino, Mahmud Abbas, e com outros lideres no âmbito das Nações Unidas para tentar um acordo de paz.

Mais tarde, os EUA reiteraram que gostariam de ver um cessar-fogo imediato em Gaza, mas duradouro, disse o porta-voz do Departamento de Estado.

"Gostaríamos de um cessar-fogo imediato", disse o porta-voz Sean McCormack. "Um cessar-fogo imediato que seja duradouro, sustentável e não limitado no tempo."

O presidente eleito dos EUA, Barack Obama, disse que está " profundamente preocupado " com as vítimas civis do ataque.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e uma delegação da Liga Árabe intensificaram as pressões sobre o Conselho de Segurança das Nações Unidas para que intervenha e coloque fim à ofensiva.

Israel voltou a definir na terça sua condição de trégua, dizendo que não iria concordar com um cessar-fogo a menos que inclua medidas para evitar que o Hamas se rearme.

"Prevenir uma reconstrução das armas do Hamas é o princípio necessário para qualquer medida de trégua. Essa é a questão vital", disse Mark Regev, porta-voz do primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert.

Regev disse que esta foi a mensagem de Olmert durante encontro com o presidente da França, Nicolas Sarkozy, na segunda. Sarkozy pediu a realização de uma reunião com autoridades israelenses e palestinas para um rápido cessar-fogo.

Regev disse que o Hamas, acusado de contrabandear armas para a Faixa de Gaza através de túneis na região de fronteira com o Egito, usou o cessar-fogo de seis meses atrás estabelecido pelo Cairo para dobrar o alcance de seus foguetes de 20 para 40 quilômetros.

Israel, cujos líderes disputam uma eleição parlamentar em 10 de fevereiro, deixou claro que sua prioridade na ofensiva em Gaza é garantir a segurança de seus cidadãos. Hamas exigiu o fim do bloqueio de Israel na Faixa de Gaza como parte de qualquer medida de cessar-fogo.

Autoridades israelenses disseram que em vez da presença de observadores internacionais para monitorarem uma trégua futura, Israel quer uma missão internacional na fronteira Egito-Gaza para evitar que o Hamas recrie uma rede de túneis para o contrabando de armas.

Bloqueio à imprensa

Israel mantém nesta terça a proibição aos jornalistas estrangeiros de entrar na Faixa de Gaza, apesar da recente decisão da Suprema Corte contra esta decisão.

A Associação da Imprensa Estrangeira (FPA) denunciou a proibição. Um porta-voz oficial respondeu que Israel não deseja colocar em risco a vida de seus soldados para proteger os jornalistas.

A Suprema Corte divulgou recentemente um veredicto que ordena ao governo autorizar a entrada de oito correspondentes estrangeiros na Faixa de Gaza. No entanto, nenhum deles recebeu até agora a autorização de entrar no território.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]