i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
ofensivas

Em visita a Moscou, Assad agradece Putin por bombardeios na Síria

    • Folhapress
    • 21/10/2015 11:15
    Bashar al-Assad e Vladimir Putin se encontraram em Mosou para reafirmar apoio a ofensivas russas | RIA NOVOSTI/REUTERS
    Bashar al-Assad e Vladimir Putin se encontraram em Mosou para reafirmar apoio a ofensivas russas| Foto: RIA NOVOSTI/REUTERS

    O ditador da Síria, Bashar al-Assad, fez uma visita surpresa na noite de terça-feira (20) a Moscou, onde se reuniu com o presidente Vladimir Putin e o agradeceu pela campanha de ataques aéreos da Rússia em território sírio, iniciada há algumas semanas.

    Esta foi a primeira viagem de Assad ao exterior desde o início da guerra civil em seu país, em março de 2011. Segundo o regime sírio, o ditador já retornou para Damasco.

    “Se não fosse pelas ações da Rússia, o terrorismo teria se propagado pela região, teria assumido o controle de um território ainda maior”, disse Assad, segundo a imprensa russa. “Gostaria de agradecer mais uma vez ao povo russo por seu apoio ao nosso país e expressar a esperança de que venceremos o terrorismo.”

    No encontro, os dois líderes concordaram que a intervenção militar russa deve encaminhar um processo político no país.

    O líder russo disse que uma solução política do conflito é possível “com a participação de todas as forças políticas, étnicas e religiosas” da Síria. “Estamos dispostos a fazer o que for possível não apenas na luta contra o terrorismo, mas também no processo político.”

    Além disso, Putin insistiu na importância que a intervenção na Síria tem para a segurança da Rússia. “Não podemos permitir que pessoas da ex-União Soviética, com experiência militar e treinadas pelos terroristas na Síria, apareçam no território da Federação da Rússia”, disse Putin. Segundo ele, ao menos 4.000 pessoas da região foram à Síria para lutar ao lado de grupos radicais.

    Guerra

    Ao iniciar no fim de setembro os bombardeios na Síria em favor de Assad, a Rússia mudou o panorama da guerra civil no país. Embora tenha reafirmado que seus alvos são somente posições de organizações radicais como o Estado Islâmico (EI), o Kremlin é acusado pelo Ocidente de atacar áreas dominadas pela oposição.

    Uma semana após o começo da campanha russa, o Exército sírio anunciou uma “grande ofensiva” por terra para retomar territórios sob controle dos rebeldes no centro e na porção ocidental do país.

    A participação da Rússia na guerra síria aprofundou a crise entre Moscou e o Ocidente, que já vinha se agravando com o apoio do Kremlin a separatistas no Leste da Ucrânia e com a anexação da península da Crimeia, em março de 2014.

    Desde o início do conflito sírio, na esteira do levante popular conhecido como Primavera Árabe, o Ocidente vinha apostando em uma solução que passasse pela deposição de Assad. A Rússia, aliada de longa data do regime sírio, reiterou diversas vezes sua defesa de que Assad permaneça no poder e vetou em instâncias internacionais resoluções sobre a crise.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.