i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Japão

Equipe da AIEA inspeciona usina nuclear japonesa que resistiu ao tsunami

Está previsto que a equipe revise as condições atuais da unidade, paralisada desde o desastre, analise os dados de suas operações e entreviste os operários que participaram de sua estabilização após o tsunami

  • PorEFE
  • 30/07/2012 06:25

Uma equipe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) começou nesta segunda-feira a inspecionar a usina nuclear japonesa de Onagawa, situada em uma das regiões mais atingidas pelo tsunami de 2011 e que suportou o desastre sem sofrer danos críticos.

Cerca de 20 especialistas liderados pelo responsável do centro de segurança sísmica internacional da AIEA, Sujit Samaddar, vai fazer a inspeção das instalações até o próximo dia 11 de agosto, segundo a agência "Kyodo".

Está previsto que a equipe revise as condições atuais da unidade, paralisada desde o desastre, analise os dados de suas operações e entreviste os operários que participaram de sua estabilização após o tsunami.

A central Onagawa fica a cerca de 150 quilômetros ao norte da de Fukushima Daiichi, que foi seriamente danificada pela grande massa de água que em 11 de março do ano passado arrasou a região e deixou mais de 19 mil mortos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.