i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Queda do regime

ESL pede para formar conselho presidencial para transição na Síria

Oposição se opõe à criação no exterior de "um governo de transição" e insiste no fato de que "todo governo formado aqui ou lá não terá nenhuma legitimidade nacional ou revolucionária se não for aprovado por eles

  • PorAFP
  • 30/07/2012 08:05

O Exército Sírio Livre (ESL) pediu nesta segunda-feira a formação de um conselho presidencial de seis personalidades políticas e militares que dirigirá a transição depois da queda do regime do presidente Bashar al-Assad.

Em uma primeira etapa, será constituído um "conselho superior de defesa que reunirá os chefes militares das cidades e das províncias sírias, assim como os oficiais mais importantes que desertaram ou que participaram da revolução", afirma o ESL, em seu "programa de salvação nacional".

Esta instância escolherá primeiro um "conselho presidencial de seis personalidades políticas e militares para dirigir o país durante o período transitório", segundo este mapa do caminho do ESL.

A instância presidencial deverá "propor leis, submetidas a um referendo, para estruturar os organismos militares e de segurança e propor soluções para integrar os civis que combateram durante a revolução contra as estruturas militares e de segurança", acrescenta o texto.

O ESL se opõe à criação no exterior de "um governo de transição" e insiste no fato de que "todo governo formado aqui ou lá não terá nenhuma legitimidade nacional ou revolucionária se não for aprovado pelo comando do ESL no interior e pelas verdadeiras forças revolucionárias no país".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.