i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
veto

EUA anunciam sanções contra Rússia por interferência nas eleições

De acordo com o Departamento do Tesouro dos EUA, o governo russo tem feito ciberataques a entidades estatais e outros setores da infraestrutura americana desde 2016

    • Das agências de notícias
    • 15/03/2018 12:20
    O governo americano acusa a Rússia de ter interferido nas eleições presidenciais de 2016, que elegeram Donald Trump | SAUL LOEB/
AFP
    O governo americano acusa a Rússia de ter interferido nas eleições presidenciais de 2016, que elegeram Donald Trump| Foto: SAUL LOEB/ AFP

    O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos anunciou nesta quinta-feira (15) novas sanções contra a Rússia por interferência nas eleições presidenciais de 2016, que elegeram Donald Trump. Ao todo, cinco empresas e 19 russos terão seus bens bloqueados e estão proibidas de fazer negócios com cidadãos americanos. Ao menos 13 já foram indiciados pelo promotor especial Robert Mueller.

    Os alvos da medida incluem o Serviço Federal de Segurança russo (FSB, na sigla original), que sucedeu a KGB; a Diretoria Principal de Inteligência (GRU), ligada à inteligência militar do país; Yevgeniy Prigozhin, próximo ao presidente russo Vladimir Putin; e a agência russa Internet Research Agency, que seria responsável por orquestrar ataques online durante a campanha eleitoral americana. 

    Contando com as sanções desta quinta-feira (15), os EUA já penalizaram mais de 100 pessoas e empresas russas.  

    "O governo está confrontando e se opondo a atividades cibernéticas malignas russas, incluindo sua tentativa de interferir nas eleições dos EUA, ataques destrutivos e invasões com objetivo de prejudicar áreas da infraestrutura", diz o comunicado do Tesouro.  

    Leia mais: Rússia diz ser vítima de ‘histeria russofóbica’ 

    Segundo a pasta, o governo russo tem feito ciberataques a entidades estatais e diversos setores da infraestrutura americana desde, pelo menos, março de 2016.  

    "Além de enfrentar a atividade cibernética maligna da Rússia, o Tesouro continua a pressionar o país por suas tentativas de desestabilizar a Ucrânia, ocupar a Crimeia, intrometer-se nas eleições e também por sua corrupção endêmica e abuso de direitos humanos", afirma o texto.  

    Ataques

    Segundo os EUA, agentes ligados ao governo russo monitoraram até servidores da Casa Branca, diplomatas, membros das Forças Armadas e oficiais de cibersegurança do país, por meio do FSB, enquanto que o órgão de inteligência militar (GRU) estava "diretamente envolvido em interferir nas eleições americanas de 2016".  

    O grupo também teria promovido ataques à infraestrutura do país, monitorando os setores de energia nuclear, de aviação e de abastecimento -o que motivou um alerta do FBI e do Departamento de Segurança Interna.  

    Entre os ciberataques articulados pelos agentes russos, estaria o NotPetya, em junho do ano passado, que danificou a infraestrutura de comunicações da Ucrânia e atingiu computadores em todo o mundo. Nos EUA, hospitais ficaram sem acesso a registros eletrônicos por mais de uma semana, e houve prejuízos ao comércio internacional e a laboratórios.  

    "Foi o ciberataque mais destrutivo e custoso de toda a história", informou o departamento do Tesouro, em nota.  

    Com as sanções, serão bloqueados bens e ativos nos EUA pertencentes aos alvos, que também não poderão fazer transações financeiras com qualquer cidadão ou entidade americana.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]
    • Tudo sobre:

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.