i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
relatórios

EUA reforçam segurança após vazamento do WikiLeaks

Vazamento de 250 mil comunicados diplomáticos causaram constrangimento para o governo dos Estados Unidos e de alguns aliados seus

  • PorReuters
  • 29/11/2010 15:46

Wahsington - A Casa Branca ordenou na segunda-feira maiores medidas de segurança para impedir vazamentos de documentos, como no caso dos 250 mil comunicados diplomáticos que vieram à tona causando constrangimento para o governo dos Estados Unidos e de alguns aliados seus.

Além disso, o Departamento de Justiça anunciou uma investigação criminal sobre o vazamento dos documentos sigilosos, que foram entregues pelo site WikiLeaks a cinco veículos de comunicação.

Entre as revelações nos documentos estava a de que o rei Abdullah, da Arábia Saudita, pediu repetidamente aos EUA que ataquem o programa nuclear do Irã. Segundo relato do jornal britânico Guardian, o rei pretendia "cortar a cabeça da serpente".

O The New York Times também citou comentários deselegantes a respeito de líderes estrangeiros, como ao comparar o presidente russo, Dmitry Medvedev, ao personagem Robin, o eterno coadjuvante do Batman, associado ao primeiro-ministro Vladimir Putin.

A Casa Branca, que criticou duramente a divulgação dos documentos e disse que ela pode ameaçar informantes nos EUA no exterior, ordenou às agências governamentais que reforcem os procedimentos para o trato de informações sigilosas.

Os novos procedimentos devem assegurar que "os usuários não tenham acesso mais amplo do que o necessário para fazer seu trabalho efetivamente".

A maioria dos documentos é de 2007 ou depois. Eles revelam, por exemplo, as suspeitas norte-americanas de que o Politburo chinês ordenou a invasão dos sistemas digitais do Google, como parte de uma sabotagem mais ampla, feita por agentes do governo, especialistas privados e bandidos da Internet, segundo o The New York Times.

Outra revelação citada pelo jornal é de que o Irã obteve mísseis sofisticados da Coreia do Norte, capazes de atingirem a Europa Ocidental, e que os EUA temem que Teerã os esteja usando para desenvolver mísseis de mais longo alcance.

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse na segunda-feira que as relações do seu país com as nações vizinhas não serão afetadas pelas revelações do WikiLeaks, e que Washington organizou o vazamento para obter benefícios políticos.

Já o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que a revelação dos esforços diplomáticos dos EUA contra o programa nuclear iraniano comprova a tese israelense de que o Irã é a maior ameaça à paz na região.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.