Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Evo Morales vota na eleição que deve lhe dar o terceiro mandato consecutivo na Bolívia | EFE/ABI
Evo Morales vota na eleição que deve lhe dar o terceiro mandato consecutivo na Bolívia| Foto: EFE/ABI

O candidato à reeleição para a presidência da Bolívia, Evo Morales, votou na manhã deste domingo (12). O presidente, membro do Movimento ao Socialismo (MAS), votou em Chapare, em Cochabamba, onde convocou a população a cumprir com seu dever de cidadão e demonstrar perante o mundo a unidade de seu país, afirma o jornal boliviano El Día.Os bolivianos seguem votando neste domingo (12) no pleito que deve dar o terceiro mandato consecutivo ao presidente Evo Morales, um ex-plantador de coca que promete consolidar as reformas de esquerda que ampliaram o papel do Estado numa economia em crescimento.

Numa zona eleitoral em La Paz, os eleitores formavam desde cedo fila para votar. Os policiais patrulhavam em grande número as ruas. A votação começou pontualmente às oito da manhã. Nas zonas rurais, houve relatos de grandes atrasos, porém.

O apelo popular de Morales e os gastos cautelosos dos recursos do gás em ações sociais, estradas e escolas deram amplo apoio ao presidente de 54 anos, num país marcado por golpes e instabilidade política.

"Votei no Morales", disse Flavia Nuñez, 50 anos, auxiliar de escritório. "Esses outros candidatos de direita vão nos levar de volta no tempo. Eu não quero isso".

Morales, primeiro líder boliviano da etnia Aymara, vota na região onde cultivou coca na juventude. Ele fez um apelo para que os seis milhões de eleitores votassem e mostrassem "a unidade do país".

Nos seus outdoors de campanha, o slogan é "Com Evo estamos indo bem". As pesquisas de opinião mostram Morales vencedor no primeiro turno com 60 por cento dos votos.

Se vencer, Morales, que prega contra o capitalismo, mas recebe elogios de Wall Street por manter o superávit fiscal, pode se tornar o presidente boliviano por mais tempo no poder.

Desde que assumiu o cargo, em 2006, ele presidiu por um período de oito anos de crescimento econômico acima dos cinco por cento, nacionalizando indústrias como gás e usando os recursos para financiar o seu "socialismo indígena". O número de bolivianos vivendo em extrema pobreza caiu no período.

Hackers

A véspera das eleições foi marcada por agitação nas redes sociais, quando a conta oficial no Twitter da televisão estatal foi invadida.

Hackers publicaram que o presidente Evo Morales tinha sofrido um atentado e estava em estado grave e que as eleições estariam suspensas. Pouco depois, tuitaram que Morales tinha morrido.

A informação foi negada imediatamente pelo próprio presidente, que em seu reduto político e sindical de Chapare (centro) declarou à televisão estatal que estava bem e acusou a oposição de estar por trás dos boatos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]