Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Bandeira com a foto do presidente do Haiti, Jovenel Moise, assassinado em julho de 2021.
Bandeira com a foto do presidente do Haiti, Jovenel Moise, assassinado em julho de 2021.| Foto: EFE/ Johnson Sabin

A polícia da Jamaica prendeu neste sábado (15) o ex-senador haitiano John Joel Joseph, um dos suspeitos de envolvimento no assassinato do presidente do Haiti, Jovenel Moise, crime que agravou a crise sociopolítica do país.

O detido é um ex-senador da oposição haitiana. Ele foi encontrado junto a outras pessoas em uma comunidade rural onde vivia em anonimato na ilha.

A chefe da unidade de Comunicações da Polícia da Jamaica, superintendente Stephanie Lindsay, disse que outros indivíduos foram presos com Joseph e que as autoridades tentam determinar quem eles são.

"Por várias razões, não compartilharemos mais informações sobre a prisão de Joseph", disse aos repórteres.

O presidente haitiano Jovenel Moise foi assassinado em 7 de julho quando sicários invadiram a residência presidencial e o mataram a tiros. A primeira-dama ficou ferida, mas sobreviveu.

Demora na investigação do assassinato do presidente do Haiti

A notícia da detenção do ex-senador vem após a Rede Nacional de Defesa dos Direitos Humanos do Haiti (RNDH) ter denunciado, no início deste mês, a falta de progresso na investigação do assassinato do presidente Moise.

Como cidadãos estrangeiros estiveram ativamente envolvidos na preparação e na execução do assassinato, a RNDH considerou importante colaborar com as agências de inteligência de outros países que possam ajudar a localizar os autores do crime.

O ex-militar colombiano Mario Antonio Palacios foi outro detido por suspeita de ligação com o assassinato. Ele enfrenta duas acusações nos Estados Unidos relacionadas ao crime e está detido em uma prisão em Miami.

Palacios prestou depoimento às autoridades americanas após ter sido detido no início deste mês durante uma escala no Panamá, de onde viajou voluntariamente para os EUA.

De acordo com documentos jurídicos recentemente divulgados, Palacios disse ter sido contratado para fornecer segurança e participar de uma operação que se destinava originalmente a capturar Moise no aeroporto e a colocá-lo em um avião, mas em 6 de julho foi informado de que os planos tinham mudado para um assassinato.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]