i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Iêmen

França vetou em 2007 Airbus que caiu em Comores, diz ministro

  • Porreuters
  • 30/06/2009 13:08

A França tinha proibido o Airbus A310-300 da companhia área Yemenia que caiu perto de Comores na terça-feira de operar em solo francês, depois que foram encontrados problemas na aeronave em testes em 2007, disse o ministro dos Transportes da França, Dominique Bussereau.

Bussereau disse que está investigando se buscar passageiros na França em uma determinada aeronave e depois transferi-los para outra, possivelmente com piores condições de segurança, em outra local, é permissível.

"Alguns anos atrás proibimos essa aeronave do solo nacional porque consideramos que ela apresentava uma série de irregularidades", disse Bussereau ao Parlamento.

"A pergunta que estamos fazendo... é se é permissível embarcar pessoas de modo normal em território francês e depois colocá-las em um avião que não garante a segurança delas. Não queremos que isso volte a acontecer", acrescentou.

Falhas foram detectadas na aeronave AirbusA310 na França, em 2007.

O ministro dos Transportes do Iêmen disse que a aeronave passou por uma inspeção completa em maio, sob supervisão da Airbus.

"Foi uma inspeção abrangente realizada no Iêmen com especialistas da Airbus", disse Khaled Ibrahim al Wazeer à Reuters, por telefone, desde a capital iemenita, Sanaa.

Muitos dos passageiros iniciaram sua viagem em Paris ou Marselha a bordo de um outro avião da companhia do Iêmen, um A330. Eles foram transferidos para o A310 em Sanaa.

Em entrevista concedida no início da manhã, Bussereau tinha dito que a aeronave não teria sido responsável pelo desastre.

Um funcionário da Comissão Europeia disse que o teste feito do A310 em 2007 tinha motivado um inquérito sobre o histórico de segurança da empresa Yemenia.

E a Agência Europeia de Segurança da Aviação disse que a UE suspenderá a permissão para a Yemenia reabastecer e fazer a manutenção de aviões registrados na UE concedida em fevereiro, depois de a empresa ser reprovada numa série de inspeções de auditoria.

Embora a Yemenia operasse o A310, o aparelho pertencia à International Lease Finance Corp e era registrado no Iêmen.

O avião caiu no mar com 153 pessoas a bordo, incluindo 66 franceses, quando tentava aterrissar na ilha de Grande Comore, no oceano Índico, na terça-feira, sob condições de mau tempo.

O BEA, o escritório francês de investigação de acidentes aéreos, disse que está enviando ao local da queda uma equipe de investigadores acompanhados por especialistas da Airbus.

Essa foi a segunda queda de avião ocorrida este mês envolvendo uma aeronave da Airbus e grande número de passageiros franceses.

O BEA deve divulgar na quinta-feira um relatório preliminar sobre a queda de um A330-200 da Air France que caiu após decolar do Rio de Janeiro com destino a Paris em 31 de maio. O avião caiu sobre o Atlântico durante uma tempestades, matando as 228 pessoas que estavam a bordo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.