Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

O ministro do Interior da Argentina, Florencio Randazzo, rejeitou neste sábado (21) as afirmações do chanceler britânico William Hague, que acusou o governo de Cristina Kirchner de tentar intimidar os moradores das Ilhas Malvinas.

"A Argentina não está intimidando ninguém, só exige um direito irrenunciável que é a soberania das Malvinas e por isso seguiremos insistindo por caminhos pacíficos, e neste caminho com muita satisfação pelo apoio que a causa recebe no mundo", disse Randazzo à agência estatal Télam.

Hague pediu neste sábado a Buenos Aires "que pare com suas tentativas de intimidação" dos habitantes das Malvinas, em meio a uma nova escalada de tensão às vésperas do aniversário de 30 anos da guerra travada por ambos os países pela posse das ilhas, que deixou um registro de 649 argentinos e 255 britânicos mortos.

"Se (o governo argentino) quer realmente que haja progressos, deve parar com suas tentativas de intimidação da população civil" e aceitar discutir os meios de "trabalharmos juntos pelo interesse comum no Atlântico Sul", disse Hague em um artigo que publica no jornal conservador The Times.

Randazzo rejeitou esse argumento e agradeceu o apoio manifestado pelos Estados Unidos e por países da América Latina à reivindicação argentina por um diálogo sobre a soberania das ilhas.

"A Argentina cada vez recebe mais adesões. Saudamos com satisfação os apoios recebidos por parte dos Estados Unidos e de outros países do mundo, em especial o de nossos irmãos latino-americanos", disse Randazzo.

Os Estados Unidos fizeram na sexta-feira um apelo ao diálogo entre Argentina e Reino Unido e indicaram que reconhecem a administração das ilhas por parte da Grã-Bretanha, embora tenham evitado tomar posição a respeito em relação à questão da soberania das ilhas ocupadas pelo Reino Unido desde 1833.

O aumento da tensão verbal entre Argentina e Reino Unido ocorre semanas depois de os países do Mercosul terem decidido impedir que navios com bandeira das Malvinas entrem em seus portos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]