i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Al-Qaeda

Iraquianos festejam retirada das tropas dos EUA

  • PorAgência Estado
  • 30/06/2009 21:02
Soldados e policiais iraquianos comemoram o que consideram uma retomada de soberania | Essam Al-Sudani/AFP
Soldados e policiais iraquianos comemoram o que consideram uma retomada de soberania| Foto: Essam Al-Sudani/AFP

Bagdá - A população do Iraque celebrou com fogos de artifício a retirada dos militares norte-americanos das principais zonas urbanas do país árabe, ocorrida ontem. O governo iraquiano determinou que 30 de junho será o Dia da Soberania Nacional.

Com a retirada das forças dos Estados Unidos para bases no interior, a responsabilidade pela segurança nas principais cidades cabe agora ao governo do Iraque.

Em Washington, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, declarou que "o futuro do Iraque está nas mãos do seu próprio povo". Obama alertou que mais violência poderá acontecer nos próximos dias, mas sinalizou com otimismo que o Iraque irá subsistir como uma nação estável e soberana.

As forças de segurança do Iraque, incluídos polícia e exército, contam com 650 mil homens. Os EUA têm atualmente 130 mil soldados no Iraque.

Enquanto isso, um atentado devastou ontem um mercado de alimentos na cidade de Kirkuk, no norte do país, e deixou 33 pessoas mortas. O carro-bomba lançado pelos extremistas pode ter sido uma amostra dos desafios que as forças de segurança do Iraque enfrentarão, em um dia bastante simbólico. "A retirada das tropas americanas de todas as cidades foi concluída depois de tudo o que eles sacrificaram em nome da segurança", declarou Sadiq al-Rikabi, um conselheiro do primeiro-ministro do Iraque, Nuri al-Maliki.

"Eu parabenizo o povo iraquiano por esta data, 30 de junho, quando as forças dos Estados Unidos retiraram-se das grandes cidades iraquianas em respeito ao acordo de retirada de tropas", disse, por sua vez, Maliki.

A saída das forças americanas dos principais centros urbanos iraquianos faz parte de um pacto de segurança por meio do qual os EUA se comprometem a retirar suas tropas do país árabe até o fim de 2011.

Pouco antes do fim do prazo, na noite de segunda-feira, mais quatro soldados americanos foram mortos em um confronto em Bagdá.

Houve um aumento acentuado da violência no Iraque nos dias que antecederam o prazo para a retirada americana dos centros urbanos. Mais de 250 pessoas morreram em uma série de ataques extremistas, a maioria tendo como alvo a maioria xiita. Maliki atribuiu as ações ao grupo extremista Al-Qaeda no Iraque e a remanescentes do Partido Baath, de Saddam Hussein.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.