i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
oriente médio

Israel conclui investigação sobre bombardeio em Gaza em 2009

O incidente ocorreu durante a guerra de três semanas na Faixa de Gaza, governada pelo Hamas

  • PorReuters
  • 01/05/2012 16:53

O exército de Israel encerrou nesta terça-feira (1º) uma investigação sobre um bombardeio em 2009 de uma casa na Faixa de Gaza, que matou 21 membros de uma família palestina, dizendo que não constituiu crime de guerra e que os civis não foram propositalmente feitos como alvo.

O incidente ocorreu durante a guerra de três semanas na Faixa de Gaza, governada pelo Hamas.

Testemunhas da época disseram que em 4 de janeiro de 2009 as tropas israelenses pediram que 100 civis do distrito de Zeitun entrassem na casa e ficassem lá, fora de seu caminho.

Porém, no dia seguinte, a casa foi atingida por bombas israelenses e ruiu, matando os membros da família Samouni.

Reportando nesta terça-feira a decisão de não tomar nenhuma medida legal, o canal 10 de televisão de Israel descreveu o bombardeio como o "acidente operacional mais sério" da guerra de Gaza.

Após uma investigação sobre o bombardeio e alegações de crimes de guerra, a Advocacia Militar Geral "julgou as acusações infundadas", disse o exército em comunicado.

"A advocacia militar também julgou que nenhum dos soldados envolvidos ou autoridades agiram de maneira negligente", disse o exército que, no entanto, acrescentou estar fazendo mudanças para "garantir que tais eventos não ocorram novamente".

Israel lançou a ofensiva no final de 2008, com o objetivo declarado de acabar com o fogo entre as fronteiras, que atingiu continuamente as cidades ao sul do país. Boa parte dos combates ocorreram em áreas densamente povoadas do pequeno território costeiro. Mais de 1,4 mil palestinos e 13 israelenses foram mortos.

"É inaceitável que ninguém seja responsável por uma ação do exército que levou à morte de 21 civis, dentro de um prédio onde entraram sob ordens de soldados, mesmo que isso não tenha sido feito deliberadamente", disse Yael Stein, chefe de pesquisa da organização não governamental israelense, B'Tselem, em comunicado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.