i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Eleições nos EUA

Quem é Kamala Harris e o que defende a companheira de chapa de Biden

  • PorIsabella Mayer de Moura, com agências
  • 12/08/2020 14:56
kamala harris
Biden anunciou a senadora Kamala Harris como sua vice na disputa pela presidência dos EUA em novembro| Foto: Robyn Beck/AFP

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, finalmente revelou quem o acompanhará na cédula de votação como vice: Kamala Harris, senadora pela Califórnia que disputou com ele a nomeação democrata no início do ano, mas acabou desistindo por falta de recursos para a campanha e resultados ruins nas primárias.

Desde que Biden, 77, havia anunciado que teria uma mulher como companheira de chapa, a senadora passou a ser vista como uma escolha natural para o Partido Democrata, principalmente por causa da importância que as questões raciais ganharam nas eleições deste ano após o assassinato do afro-americano George Floyd por um policial branco e os protestos que ocorreram na sequência.

Desta maneira, Kamala Harris se tornou a primeira mulher negra a compor uma chapa presidencial e a terceira mulher a concorrer como vice nos Estados Unidos. Ela adiciona à cédula presidencial a diversidade que faltava na pessoa de Joe Biden, homem branco, idoso e moderado – para os atuais padrões do partido – com décadas de experiência na política americana.

Filha de pai jamaicano e mãe indiana, Kamala deve atrair o voto de negros, latinos, mulheres e jovens. Em 2016, a ausência desse eleitorado, que tradicionalmente é cativo dos democratas, foi crucial na derrota de Hillary Clinton para Donald Trump.

A decisão de escolhê-la também parece apontar que o Partido Democrata seguirá um caminho mais progressista se sair vencedor nas eleições presidenciais de 3 de novembro, com Harris já sendo apontada pelos mais ansiosos como uma potencial sucessora de Biden, devido à idade avançada dele.

Quem é Kamala Harris

Hoje com 55 anos, Kamala é senadora dos Estados Unidos pela Califórnia. Sua carreira política começou nos anos 2000, quando foi eleita a primeira promotora distrital negra de São Francisco. Mas foi quando assumiu a promotoria do estado, em 2010, que seu trabalho ganhou destaque e a tornou alvo de críticas tanto da esquerda quanto da direita.

A campanha democrata exalta que, durante aquele período, Kamala “lutou pelas famílias e ganhou um acordo de US$ 20 bilhões para proprietários de casas na Califórnia contra grandes bancos que estavam executando injustamente as hipotecas”, resultado da crise econômica de 2008.

Contudo sua atuação em outros casos tiveram repercussão negativa. Pela esquerda, foi acusada de defender interesses policiais. A primeira campanha dela para a promotoria de São Francisco foi apoiada pelo sindicato da polícia local e, quando foi promotora da Califórnia, evitou intervir em casos envolvendo assassinatos pela polícia e foi criticada por não brigar por reformas policiais – uma pauta que agora vem sendo levantada por diversos promotores progressistas.

Em um debate democrata no início do ano, a deputada Tulsi Gabbard afirmou que Harris "bloqueou evidências que teriam libertado um homem inocente do corredor da morte até que ela fosse forçada a fazê-lo".

Porém, a boa relação com os policiais não foi duradoura. Acabou quando ela se recusou a pedir pena de morte para o membro de uma gangue que assassinou um policial, ainda em seu primeiro mandato como procuradora em São Francisco. Ela defendia que a sentença era desproporcionalmente aplicada a negros.

Pela direita, Kamala foi acusada de abusar de seus poderes de investigação e promotoria para perseguir grupos políticos de tendência conservadora, como a Fundação Americanos pela Prosperidade, que critica as propostas democratas para as mudanças climáticas, e a Organização Nacional para o Casamento, que é contra o casamento homossexual e a adoção de crianças por casais gays. Segundo o National Review, ela fez parte de uma aliança de procuradores-gerais democratas que tentaram tornar crime o “negacionismo climático” .

Em 2016 foi eleita para o Senado americano, onde defendeu, entre outras coisas, o aumento do salário mínimo, os direitos de imigrantes e refugiados e o aborto. Também foi bastante crítica ao governo de Donald Trump e co-patrocinou uma legislação que tiraria a maconha da lista de substâncias controladas e eliminar o registro de crimes relacionados à droga.

Os posicionamentos atuais

A candidata à vice está longe de ser uma alternativa centrista, como vêm sendo apresentada por muitos na imprensa, embora pareça mais aberta ao diálogo do que figuras como o senador Bernie Sanders e a deputada Alexandria Ocasio-Cortez. Desde que entrou na corrida presidencial democrata, Kamala Harris passou a demonstrar uma tendência mais progressista, inclusive em questões relacionadas à polícia e à justiça.

Na onda dos protestos antirracismo e antipolicial, a senadora disse que “é um pensamento do status quo acreditar que colocar mais policiais nas ruas cria mais segurança. Isto é errado. É simplesmente errado”. Kamala está entre os democratas que assinaram um projeto de lei que prevê a proibição de técnicas de estrangulamentos pela polícia, bem como discriminação racial em abordagens policiais, entre outros pontos. “Como promotora de carreira e ex-procuradora-geral da Califórnia, sei que a verdadeira segurança pública exige a confiança da comunidade e a responsabilização da polícia”, declarou ao apoiar o projeto conhecido como Justice in Policing Act.

Na saúde, suas declarações sobre o controverso Medicare For All deixaram muita gente confusa. Quando era candidata à presidência, disse apoiar o projeto proposto pelo senador Bernie Sanders, de substituir completamente a cobertura privada por um sistema governamental gratuito - o que inevitavelmente levaria a um aumento de impostos. Ela chegou a afirmar em entrevista que o seguro privado de saúde nos EUA deveria ser totalmente eliminado. Porém, mudou de tática no meio do caminho e lançou a sua própria versão do programa de saúde de tendência socialista, que manteria as seguradoras privadas operando no país e cuja a implantação seria feita em longo prazo.

A sua defesa do aborto também a coloca no campo progressista do Partido Democrata. Como senadora, recebeu a avaliação máxima de uma entidade pró-escolha que dá notas aos legisladores com base nos posicionamentos a respeito do assunto. Ela votou contra um projeto de lei que limitaria o aborto às primeiras 20 semanas de gestação e apoia um projeto que torna ilegais limitações praticadas por alguns estados em relação a serviços de aborto.

“A saúde reprodutiva está sob ataque total na América hoje. Existem estados que aprovaram leis que virtualmente impedem que as mulheres tenham acesso à saúde reprodutiva. Não é exagero dizer que as mulheres vão morrer, mulheres pobres, mulheres de cor, porque essas legislaturas republicanas que estão fora de contato com a América estão dizendo às mulheres o que fazer com nossos corpos. As pessoas precisam manter as mãos longe do corpo das mulheres e deixar que elas tomem as decisões sobre suas próprias vidas”, disse Kamala. A senadora também apoia o financiamento público para serviços de aborto e opõe-se à notificação dos pais em caso de abortos em menores de idade.

Seguindo a toada esquerdista, Kamala Harris é a favor do Green New Deal, um projeto apresentado pela deputada Alexandria Ocasio-Cortez para renovar toda a estrutura do país para priorizar a eficiência energética, modernizando a rede elétrica, eliminando as emissões de gases do efeito estufa em apenas 10 anos e convertendo todo o país a fontes de energia renovável. Tanto essa proposta quanto o Medicare For All não foram endossados por Joe Biden.

O viés progressista da escolhida para a vice-presidência já está sendo explorado pela campanha de reeleição do presidente Donald Trump. Logo apó o anúncio de Biden, o republicano postou um vídeo no Twitter dizendo que a adversária integra a "esquerda radical" no país e defende "trilhões em novos impostos".

Relação com Biden

Algumas reservas eram feitas sobre a indicação de Kamala Harris como vice da chapa democrata por causa de seu relacionamento conturbado com Biden nas primárias do partido. Durante os debates, ela foi uma das que mais criticou o ex-vice-presidente sobre o seu posicionamento contrário à política de transporte entre diferentes distritos escolares para reduzir a segregação racial nas escolas americanas, na década de 1970 - uma política da qual ela mesma se beneficiou, segundo revelou em um dos debates. Essas discussões públicas também já estão exploradas pela campanha do adversário republicano para desacreditar a chapa democrata.

Mas depois que desistiu da sua campanha, Kamala Harris passou a apoiar a candidatura Biden, quando ele ainda era ameaçado pelo socialista Bernie Sanders na corrida democrata. “Farei tudo que estiver em minhas mãos para ajudá-lo a se tornar o próximo presidente dos Estados Unidos", escreveu em um tuíte em 9 de março.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • A

    AALB

    ± 84 dias

    Eu nao entendo essa obsessao dos articulistas de porem "negros,latinos e outras minorias " num mesmo ****, em contraposicao ao chamado homem branco. Duvido que o latino americano vivendo nos USA vote em alguem por ser negro, nem asiaticos se posicionarem como "anti-brancos". A questao e' muito mais complexa e envolve economia, imigracao entre outros fatores.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • A

      anderson

      ± 88 dias

      Par perfeito para o Slow Joe. Como pode a pessoa acusar o outro de racista, machista, assediador e depois ser parceira de chapa?? Só mais um exemplo da incoerência dos esquerdistas.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • A

        Afonso Celso Frega Beraldi

        ± 88 dias

        Primeiro, "Progressista" = comunista. Segundo, ela eh fake, pois não é negra porque tem pai indiano (razão da sua cor da pele), e assim nao eh "afrodescendente". Terceiro, será péssima para o Brasil, e vai complicar nossa vida. Quarto, suas posições "pró amazônia" porá um fim nos nossos sonhos de exploração racional das riquezas minerais por lá e fará muita pressão econômica para barrar nossas exportações caso "desobedeçamos" suas vontades. Quinto, a Califórnia é um antro criminal nos EUA exatamente pela questão de posse de armas, pobreza acima da media americana, e ela eh multi-milionaria. Comunista gosta muito de grana

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        3 Respostas
        • D

          D'AMICO

          ± 87 dias

          Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

        • D

          D'AMICO

          ± 87 dias

          QUANDO ACORDAREM DO SONHO ....... DEMO-PETISTA , REGADO A VINHOS FRANCESES E CAVIAR . RESUMO ----- 7 ....... T R U M P ..... ESTARÁ REELEITO .....

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

        • C

          CSG

          ± 87 dias

          Sexto.Os Democratas levam essa

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.