141040

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mundo
  3. Líder oposicionista Guaidó é investigado na Venezuela

ditadura chavista

Líder oposicionista Guaidó é investigado na Venezuela

O controlador-geral do país afirmou na televisão estatal que decidiu investigar o patrimônio de Juan Guaidó por que ele suspostamente "ocultou" dados em sua declaração e recebeu dinheiro de entidades internacionais "sem justificativa"

  • Estadão Conteúdo e Folhapress
O presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, após palestra a estudantes em uma universidade de Caracas, 11 de fevereiro |  YURI CORTEZ / AFP
O presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, após palestra a estudantes em uma universidade de Caracas, 11 de fevereiro  YURI CORTEZ / AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A Controladoria Geral da Venezuela anunciou nesta segunda-feira (11) a abertura de uma investigação sobre o patrimônio do líder oposicionista Juan Guaidó, em uma nova escalada no enfrentamento entre o governo e a Assembleia Nacional. Paralelamente, Guaidó, presidente interino, afirmou que entregou a uma associação civil um primeiro carregamento de ajuda humanitária.

Em aberto desafio ao ditador Nicolás Maduro, que rejeita que seu país necessite de ajuda humanitária, como afirma a oposição, Guaidó disse em sua conta no Twitter que entregou um carregamento de alimentos para crianças e grávidas a uma entidade privada que cobre vários hospitais, denominada Associação de Centros de Saúde. Ele não mencionou onde estava essa ajuda, como a recebeu nem quem a enviou ou se chegou do exterior. Na semana passada, os Estados Unidos enviaram ajuda humanitária a Cúcuta, na Colômbia, fronteira com a Venezuela. Até agora, não houve permissão para a entrada do material em território venezuelano. 

Leia também: O líder acidental: como Juan Guaidó se tornou o cabeça da oposição na Venezuela

Maduro qualificou como um "show" os pedidos da Assembleia Nacional para deixar entrar ajuda humanitária. Ele afirmou que é preciso "derrubar as mentiras" que correm o mundo, como parte de uma guerra "psicológica, midiática" com o objetivo de que ninguém se aproxime da Venezuela nem invista no país. 

O controlador-geral do país, Elvis Amoroso, afirmou nesta segunda-feira na televisão estatal que decidiu investigar o patrimônio de Guaidó porque ele supostamente "ocultou ou falseou dados" em sua declaração jurada e recebeu dinheiro de entidades internacionais "sem nenhum tipo de justificativa".

Centro de ajuda no Brasil

Também nesta segunda-feira, a representante diplomática indicada por Juan Guaidó, María Teresa Belandria, afirmou que o governo do Brasil vai apoiar a construção de um centro de ajuda humanitária em Roraima, na fronteira com a Venezuela. 

"O governo do Brasil se comprometeu com o presidente interino [da Venezuela], Juan Guaidó, para dar-nos todo o apoio possível para o estabelecimento, talvez ao final desta mesma semana, de um centro de ajuda humanitária e de um centro de distribuição. Para fazer chegar aos venezuelanos a ajuda humanitária que estão necessitando", afirmou Belandria, que representará Guaidó junto às autoridades do Brasil. 

A embaixadora das forças de oposição ao chavismo se reuniu nesta segunda com o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo. Também participou da reunião o deputado venezuelano Lester Toledo, que atua como coordenador do esforço internacional de envio de ajuda humanitária à Venezuela.

Leia também: Acentua-se embate entre Maduro e Guaidó sobre ajuda humanitária; coronel manifesta apoio a líder da oposição

Belandria disse que está fora dos planos da oposição que Maduro não deixe o poder e destacou a importância do apoio político por parte do Brasil. Ela disse que não vai fazer diplomacia tradicional e que pretende ir ao encontro dos venezuelanos em solo brasileiro. "Não trabalhamos com esse cenário", afirmou ela. "Estamos muito felizes com o governo do Brasil que tem sido o aliado mais forte do governo Guaidó." 

María Teresa agradeceu nominalmente ao presidente Jair Bolsonaro e ao governo brasileiro por atender refugiados abrigados em Pacaraima e Boa Vista, evitando que os abrigos entrem em colapso. O recrudescimento dos conflitos internos no país vizinho e o aumento do fluxo ao Brasil são hoje a principal preocupação das Forças Armadas brasileiras. Até a semana passada, o Ministério da Defesa não tinha nenhuma nova frente de trabalho para ampliar o modo de ajuda humanitária. O Brasil deve participar do apoio aos venezuelanos por meio de instituições internacionais, como a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização dos Estados Americanos (OEA), e não unilateralmente.

O envio de alimentos e medicamentos ao país vizinho, que vive grave crise política, hiperinflação e desabastecimento, é uma das principais estratégias de Guaidó para tentar reduzir o apoio das Forças Armadas ao ditador Nicolás Maduro.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE