Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
protesto paraguai
Pessoas protestam exigindo a renúncia do presidente paraguaio Mario Abdo Benitez nos arredores da residência presidencial em Assunção em 7 de março de 2021| Foto: NORBERTO DUARTE/AFP

Milhares de pessoas protestaram no Paraguai neste domingo (7), pelo terceiro dia consecutivo, pedindo a saída do presidente Mario Abdo Benítez, conhecido como Marito, a quem acusam de ser responsável pelo colapso sanitário no país. Entenda o que levou o país a mais uma crise social e política.

Números da pandemia

O Paraguai vive o pior momento da pandemia até agora. Mais de 1.200 casos de Covid-19 estão sendo registrados diariamente (taxa de 170 por milhão de habitantes). As mortes pela doença estão aumentando desde o início do ano, embora o recorde diário de óbitos tenha sido registrado em setembro passado. Desde o início da pandemia, 3.318 paraguaios morreram por causa da Covid-19.

A campanha de vacinação do Paraguai é a mais lenta da região. Chegaram ao país poucas doses de vacina – 4 mil doses da Sputnik V, provenientes de um acordo maior firmado com a Rússia, e 20 mil doses de Coronavac, doadas pelo Chile neste fim de semana. Cerca de 36 mil doses da vacina da Oxford/AstraZeneca, provenientes do convênio Covax, são esperadas pelo Paraguai até 15 de março.

Escassez de medicamentos

No início de março, profissionais de saúde denunciaram a escassez de medicamentos básicos para combater a Covid-19 e falta de leitos de UTI para receber os pacientes nos principais hospitais do Paraguai. O Ministério da Saúde teve que interromper as cirurgias eletivas por tempo indeterminado.

"Precisamos de mais remédios e suprimentos médicos para os pacientes", pede uma profissional da saúde durante protesto em 4 de março, em frente ao Hospital das Clínicas de San Lorenzo | Foto: Norberto DUARTE/AFP
"Precisamos de mais remédios e suprimentos médicos para os pacientes", pede uma profissional da saúde durante protesto em 4 de março, em frente ao Hospital das Clínicas de San Lorenzo | Foto: Norberto DUARTE/AFP| AFP

“Não temos raio-x, sonda nasogástrica, não tem remédio básico ... Não nos calamos mais. Dizemos basta ao governo”, reclamou à Associated Press o pneumologista Carlos Morínigo durante uma manifestação de enfermeiros em Assunção. Ele é um dos chefes do Instituto Nacional de Doenças Respiratórias e Ambientais (Ineram), que atende casos mais graves de Covid-19.

Os medicamentos em falta são atracúrio e midazolam, indispensáveis para pacientes em estado grave que respiram com auxílio de máquinas. Na semana passada, devido à escassez, o governo paraguaio comprou 30 mil doses de atracúrio, mas como o medicamento está em falta no mercado e apenas uma empresa está vendendo no país, teve que pagar 70 mil guaranis pela dose (cerca de R$ 60), cerca de três vezes o preço de referência no país. Uma investigação do jornal ABC Color, publicada nesta segunda-feira (8), alega que o Ministério da Saúde não fez nenhuma licitação para comprar o medicamento em 2020 e que agora se vê obrigado a fazer compras de emergência.

Sobre a falta de leitos, o governo afirmou que está fazendo acordos para abrir mais vagas. Toda esta situação levou à renúncia do então ministro da Saúde, Julio Mazzoleni, na sexta-feira passada.

Acusação de corrupção

Os manifestantes também afirmam haver uma “corrupção generalizada” no governo de Marito, uma acusação da oposição que não surgiu agora. Um dos casos citados é o acordo com o Brasil sobre a energia excedente de Itaipu, que gerou uma crise política no Paraguai em meados de 2019 e, por pouco, não terminou com o impeachment do presidente.

Agora, com as críticas à gestão do governo frente à pandemia, a oposição busca articular mais um processo de juízo político contra Marito.

O presidente, por sua vez, anunciou que está refazendo seu gabinete. No fim de semana, depois do violento protesto entre manifestantes e policiais (que colocou o governo em uma situação política ainda mais delicada), Marito pediu que seus ministros colocassem seus cargos à disposição. Até agora saíram o ministro da Educação, Eduardo Petta, a ministra da Mulher, Nilda Romero, e o chefe do gabinete, Juan Ernesto Villamayor.

Enquanto o governo tenta solucionar os problemas da saúde e evitar mais processo de impeachment, manifestantes afirmam que continuarão com as mobilizações, exigindo a renúncia do presidente.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]