Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Nas redes sociais, a medalha de ouro de Yulimar Rojas deu origem a uma batalha retórica entre o governo ditatorial e a oposição.
Nas redes sociais, a medalha de ouro de Yulimar Rojas deu origem a uma batalha retórica entre o governo ditatorial e a oposição.| Foto: EFE/EPA/CHRISTIAN BRUNA

Na Venezuela, governo e oposição comemoraram neste domingo (1) a medalha de ouro conquistada por Yulimar Rojas, que estabeleceu um novo recorde mundial na final do salto triplo nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

"Tremenda vitória de Yulimar Rojas! Medalha de ouro, recorde mundial e olímpico para você, guerreira. Você brilha com luz própria, é o fiel reflexo do espírito batalhador e de grandeza do povo venezuelano. Você está no auge do esporte, é uma grande atleta. Parabéns, campeã", escreveu o ditador venezuelano, Nicolás Maduro, no Twitter.

Na mesma rede social, o líder opositor Juan Guaidó afirmou que "Yulimar Rojas foi mais longe do que qualquer outra pessoa, medalhista de ouro com um recorde mundial". "Passo a passo, ela avançou com perseverança, esforço e confiança. Obrigado, Yulimar, por este feito. Você nos une e faz todos os venezuelanos felizes. Em Tóquio vamos ouvir a Glória ao Bravo Povo", publicou Guaidó, ao se referir ao hino da Venezuela.

O ministro das Relações Exteriores, Jorge Arreaza, também exaltou a atleta pela conquista neste domingo. "Nunca duvidamos, você conseguiu. Yulimar, a primeira (mulher a conquistar um ouro) da Venezuela. Imensa. Dia histórico", comentou o chanceler.

"Incrível, Yulimar! Nossa pátria vibra com seu triunfo, seu recorde mundial e sua medalha de ouro. Viva a Venezuela hoje e sempre", comemorou o opositor Henrique Capriles.

Yulimar Rojas, atual bicampeã mundial de salto triplo, conquistou em Tóquio o primeiro ouro olímpico da carreira neste domingo, ao estabelecer um novo recorde mundial na prova. Rojas saltou 15,67 metros na última tentativa, 17 centímetros a mais do que o recorde anterior, que havia sido estabelecido pela ucraniana Inessa Kravets no dia 10 de agosto de 1995, no Mundial de Gotemburgo, na Suécia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]