As negociações internacionais sobre o plano dos Estados Unidos para vender tecnologia nuclear para fins pacíficos à Índia recomeçaram nesta quinta-feira (4). Os críticos argumentam que o acordo poderia atrapalhar décadas de avanço no sentido de desencorajar que países desenvolvam armas de destruição em massa.

William Burns, vice-secretário dos EUA para assuntos políticos, disse a repórteres que notou um "firme progresso" e acreditava em um acordo até sexta-feira (5).

"Os Estados Unidos acreditam firmemente que o passo que estamos considerando para a Índia fortalecerá a não-proliferação", disse Burns, o número 3 do Departamento de Estado.

Entre os opositores do acordo estão Áustria, Irlanda, Nova Zelândia, Noruega e Suíça. A Índia já testou armas nucleares e se recusa a firmar acordos internacionais de não-proliferação.

As reuniões estavam sendo mantidas pelo Grupo de Fornecedores Nucleares, órgão internacional que controla o comércio legal de materiais nucleares, que reúne 45 países. As conversas no mês passado terminaram em impasse, com mais de 10 países se opondo ao plano americano.

Por mais de três décadas, os EUA mantiveram uma política de não vender material nuclear à Índia. As informações são da Associated Press.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]