i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Massacre

ONU denuncia massacre de 264 civis por grupos armados na RD Congo

Número foi registrado no período entre abril e setembro de 2012, segundo a ONU

  • PorEFE
  • 14/11/2012 11:51

Pelo menos 264 civis, entre eles 83 crianças, foram assassinados por grupos armados entre abril e setembro de 2012, na província de Kivu do Norte, na República Democrática do Congo (RDC), segundo uma denúncia da ONU que inclui um relatório sobre as instituições de direitos humanos na zona em questão.

O relatório apresenta os resultados de seis missões de investigação e de mais de 160 entrevistas com vítimas e testemunhas da violência nessa região, realizadas pelo Escritório das Nações Unidas para os Direitos Humanos na RDC.

Os números são consequência de 75 ataques documentados na região de Masisi durante seis meses, segundo a ONU, que considera que estão longe de refletir a magnitude das violações de direitos humanos no leste do país africano.

Os autores do documento, divulgado nesta quarta-feira pela ONU, consideram que o número de vítimas em Masisi poderia ser maior e destacam que a maioria delas era idosos e crianças, o que limitava ainda mais a capacidade de fugir dos ataques.

A ONU atribui a maioria dos assassinatos ao grupo armado Raia Mutomboki, com a ajuda dos grupos Mayi Mayi, "que foram cometidos com extrema violência, sendo que muitas vítimas morreram com golpes de facão e outras foram queimadas vivas em suas casas".

O grupo opositor Nyatura foi considerado responsável por outras violações dos direitos humanos, incluindo assassinatos, saques e violações, em algumas ocasiões em colaboração com as Forças Democráticas para a Libertação de Ruanda (FDLR).

O grupo Raia Mutomboki cometeu a maioria dos assassinatos contra membros da etnia Hutu, enquanto o Nyatura assassinou membros da etnia Tembo, de acordo com o documento.

"As sistemáticas violações dos direitos humanos, cometidas por esses grupos armados, incluindo o massacre de crianças, são as mais graves que vimos nos últimos tempos na RDC", disse a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay.

"As autoridades congolesas têm que tomar medidas imediatas para proteger os civis e combater a impunidade que só ajuda a encorajar os assassinos", afirmou em comunicado.

A ONU expressou sua preocupação pelo componente étnico dos massacres deste ano no leste da RDC, onde os enfrentamentos pelo controle de terras e pelos recursos naturais aconteceram em períodos cíclicos de violência entre as distintas comunidades.

"Tanto os Raia Mutomboki como os Nyatura lançaram ataques sistemáticos dirigidos contra civis, pelo geral baseando-se na etnia verdadeira ou suposta etnia das vítimas, e em supostos benefícios políticos e econômicos", segundo o relatório.

Em abril deste ano, as deserções no Exército e a consequente criação do grupo armado M23 levaram às forças armadas congolesas a se concentrarem no combate contra esta milícia, o que supôs uma forte freada nos avanços conquistados contra as FDLR.

Segundo a ONU, "muitos grupos armados tiraram vantagem da falta de segurança que deixou a redistribuição das unidades do Exército para estender suas próprias áreas de influência, frequentemente mediante violentos ataques contra a população civil, o que exacerbou a tensão entre etnias, algo que já promovia o M23".

A resposta do Exército, em colaboração com a Missão de Estabilização da ONU na RDC (MONUSCO), foi desdobrar várias unidades nas zonas afetadas desde julho, promovendo medidas que impulsionem o diálogo e a reconciliação.

O representante especial do secretário-geral da ONU para a RDC, Roger Meece, declarou que "o risco de intensificação deste conflito étnico é real, e representa uma grave preocupação para a paz e a segurança dos civis na região".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.