i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Morte

Papa diz que assassinato de bispo não foi crime político

Segundo a polícia, Padovese foi morto por seu motorista. O homem aparenta ter problemas mentais

  • PorAgência Estado
  • 04/06/2010 11:36

O papa Bento XVI disse hoje, a caminho da ilha do Chipre, que está profundamente triste com o assassinato, na Turquia, do bispo católico Luigi Padovese. O pontífice afirmou acreditar que o crime não foi político e não atrapalhará sua peregrinação. Funcionários do governo turco disseram que Padovese foi morto por seu motorista. Eles afirmaram que o homem aparenta ter doenças mentais.

Bento XVI aceitou as explicações da polícia turca sobre o assassinato, ao dizer que "não foi um assassinato com motivação política ou religiosa, foi algo pessoal". Segundo ele, a morte de Padovese "não tem nada a ver com os temas e a realidade desta viagem. Precisamos não responsabilizar a Turquia ou os turcos". O porta-voz do Vaticano, o reverendo Federico Lombardi, afirmou que o assassinato de Padovese mostra as "condições difíceis" que a Igreja Católica Romana enfrenta no Oriente Médio.

Chipre, uma ilha dividida entre gregos e turcos étnicos, é vista pelo Vaticano como uma ponte entre a Europa e o Oriente Médio. A visita é avaliada como um teste para Bento XVI, a respeito de como ele superou o episódio no qual ligou o Islã à violência, durante um discurso na Alemanha. Os protestos de lideranças islâmicas quase fizeram o papa cancelar uma viagem à Turquia em 2006.

Segurança

Mais de mil policiais foram mobilizados para fazer a segurança de Bento XVI, que programou uma visita apenas à parte grega da ilha, a República do Chipre, que faz parte da União Europeia. O papa não deverá visitar a República Turca do Norte do Chipre (TRNC, na sigla em inglês), embora não tenha descartado reuniões com líderes muçulmanos.

Bento XVI terá várias reuniões com religiosos cristãos locais, onde será discutida uma agenda para uma cúpula em outubro em Roma, a qual lançará uma estratégia para deter o êxodo de cristãos do Oriente Médio, que estão deixando a região por causa de dificuldades econômicas e da violência sectária. O Oriente Médio inclui os descendentes das comunidades cristãs mais antigas.

O pontífice também deverá discutir a divisão do Chipre. A ilha foi dividida em 1974, quando a Turquia invadiu o norte após uma tentativa de golpe de nacionalistas gregos, que queriam unir a ilha à Grécia. Os cipriotas turcos declararam a independência em 1983, mas a TRNC é reconhecida apenas pela Turquia que mantém 35 mil soldados no norte.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.