Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O partido do presidente da Rússia, Vladimir Putin, deve ser o vencedor das eleições parlamentares no país.
O partido do presidente da Rússia, Vladimir Putin, deve ser o vencedor das eleições parlamentares no país.| Foto: EFE/EPA/ALEXEI NIKOLSKY / SPUTNIK / KREMLIN POOL/ Gazeta do Povo

Os primeiros resultados da contagem de votos para as eleições legislativas na Rússia não deixam dúvidas de que, mais uma vez, o partido Rússia Unida, que apoia o presidente Vladimir Putin, que já liderou o partido mas hoje é independente, sairá vencedor das urnas. A eleição vai definir os 450 assentos da Duma, a câmara baixa do parlamento russo.

A vitória, no entanto, não deverá ser tão expressiva como no último pleito, em 2016, quando o partido Rússia Unida obteve 54,2% dos votos. Neste domingo (19), com quase 33% dos votos contabilizados, até às 22h no horário de Brasília, o partido de Putin liderava a preferência dos eleitores com 45%, contra cerca de 22% do Partido Comunista, frequentemente alinhado ao Kremlin.

Parte significativa do aumento do apoio aos comunistas (em 2016 receberam apenas 13% dos votos) é atribuída à campanha do “voto inteligente”, lançada por adversários de Putin impedidos de concorrer e ligados ao oposicionista Alexey Navalny, que está preso desde janeiro.

A campanha fez com que os opositores nomeassem mais mil candidatos pelo país como opção de “voto inteligente”, a maioria dos citados era comunista. Até o primeiro dia da eleição, na última sexta-feira (17), um aplicativo para celulares mostrava em quais candidatos o eleitor deveria votar para ter mais chances de derrotar o partido Rússia Unida.

No mesmo dia, sob pressão do governo russo, Google e Apple retiraram o aplicativo de suas lojas. O Telegram também bloqueou o software do “Voto Inteligente” e, neste domingo, desapareceram do YouTube e do Google Docs os vídeos e as listas de candidatos da oposição com mais chance de vitória.

Além disso, a eleição russa também enfrentou ataques cibernéticos no sábado (17). A Comissão Eleitoral russa denunciou três ciberataques procedentes do exterior direcionados aos seus sites. Segundo representantes da comissão, os ataques foram "poderosos" e tentaram sobrecarregar os portais por meio da negação de serviço. O porta-voz, entretanto, não disse quais países estariam por trás do suposto ataque.

Com adversários mais notórios presos, foragidos ou impedidos de concorrer – o Kremlin os classifica como "extremistas" – Putin deve celebrar a vitória nas próximas horas.

Pela primeira vez em 28 anos, as restrições criadas pelo governo russo impediram a presença de observadores internacionais da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (Osce), que atua na promoção de estabilidade, paz e democracia em 57 países.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]