Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Policiais cercam bar onde atirador realizou ataque na noite desta sexta-feira (13) | PHILIPPE WOJAZER/REUTERS
Policiais cercam bar onde atirador realizou ataque na noite desta sexta-feira (13)| Foto: PHILIPPE WOJAZER/REUTERS

Uma série de ataques com tiros e explosões em Paris deixou pelo menos 127 mortos nesta sexta-feira (13), informou a prefeitura da cidade, na pior violência a atingir a França em décadas. Ataques foram registrados em sete pontos da cidade. No pior deles, em uma casa de shows, mais de 100 pessoas foram mortas.

Veja imagens dos ataques.

Confira os pontos onde os ataques ocorreram nesta sexta-feira (13)

Os ataques começaram por volta das 21h20m (18h20m em Brasília), em restaurantes, no teatro e em um dos principais centros comerciais de Paris, o Les Halles, localizados, respectivamente, nos 10º, 11º e 1º regiões, no coração da capital francesa (em Paris, os bairros são numerados, de 1 a 20). A região é onde se localiza também a sede atacada do “Charlie Hebdo”. O governo francês declarou “alerta vermelho alfa”, o que significa atenção para múltiplos atentados.

O presidente François Hollande declarou estado de emergência em todo o país e anunciou o fechamento das fronteiras francesas em uma breve declaração em rede nacional, acrescentando que uma reunião de gabinete foi convocada.

O Ministério das Relações Exteriores da França afirmou que os aeroportos do país, no entanto, permanecerão abertos e que as operações de voos e trens serão mantidas.

Bataclan é palco de maior ataque em noite de terror em Paris

Tradicional casa de shows foi invadida por homens armados que teriam atirado cegamente por cerca de 10 minutos. Segundo a polícia francesa, mais de cem pessoas foram mortas durante o ataque

Leia a matéria completa

“Os aeroportos continuam funcionando. Voos e serviços de trens estão garantidos”, afirmou o ministério em comunicado.

Cerca de 1.500 policiais de outras regiões da França foram deslocados para a capital para apoiar as tropas parisienses.

Os ataques aparentemente coordenados com armas e bombas ocorrem no momento em que o país, membro fundador da coalizão liderada pelos Estados Unidos que realiza ataques aéreos contra os combatentes do Estado Islâmico na Síria e no Iraque, está em alerta elevado para atentados por causa da conferência global do clima, que começa no fim deste mês na capital francesa.

Fontes de segurança ocidentais disseram suspeitar que um grupo militante islâmico está por trás da carnificina.

Casa de shows

A situação mais grave aconteceu na casa de espetáculos Bataclan, no 11º Distrito. As informações dão conta de que acontecia um show de heavy-metal quando supostos terroristas teriam invadido o local e feito mais de uma centena de reféns. Segundo a France Press, há mais de 100 mortos no local.

Após 1h30 de operação, as forças de segurança invadiram a boate e retiraram as pessoas. Uma testemunha relatou à rádio francesa France Info que algumas pessoas estavam com as mãos para cima, ou em macas.Três terroristas foram mortos.

Ataques em Paris deixam ao menos dois brasileiros feridos

Os ataques desta sexta-feira (13) em Paris deixaram pelo menos dois brasileiros feridos, segundo o Itamaraty. Até as 21h desta sexta, o consulado-geral do Brasil em Paris não tinha repassado mais informações sobre as vítimas nem sobre seu estado.

Leia a matéria completa

Um jornalista francês informou à BBC que um amigo conseguiu escapar do Bataclan. Ele disse que havia cinco ou seis homens armados que teriam mencionado a Síria durante o ataque. Há imagens que mostram corpos sendo cobertos por lençóis brancos em ruas perto da casa de shows logo após os tiroteios.

Um brasileiro conseguiu sair das proximidades da casa de shows momentos antes da ação e registrou em vídeo a tensão nas ruas.

Pessoas comuns que estavam nas proximidades do Bataclan ou que residem no 11º Distrito começam a postar relatos na internet sobre os atentados: fala-se em massacre, em dezenas de feridos pelas ruas e que os terroristas teriam disparado em todas as direções.

Um outro jornalista, do Europe 1, que estava no interior do teatro, contou que homens armados e sem máscaras invadiram a sala de concertos e dispararam cegamente durante 10 a 15 minutos. Segundo o jornalista, os homens eram muito jovens.

Estádio

Em outro ataque, uma explosão foi registrada em um bar perto do Stade de France, estádio de futebol de Paris, aonde ocorria um amistoso entre a seleção da França e da Alemanha. Assustados, os torcedores invadiram o gramado. O presidente François Hollande estava no estádio no momento da ação, mas foi retirado em segurança.

França já atacou a Síria e há suspeitas de retaliação

Testemunhas disseram que atiradores gritaram “isso é pela Síria” durante os atentados desta sexta-feira (13)

Leia a matéria completa

De acordo com a AFP, cinco pessoas morreram neste local -- dois terroristas e três civis.

Em um terceiro ataque, um atirador que portava uma arma automática abriu fogo no restaurante Cambodge, no 11º. distrito de Paris, de acordo com informações da BBC. Segundo a polícia, neste local foram 11 vítimas.

Terror

Pouco após os atentados, a França tomou medidas drásticas de segurança. Foi decretado estado de emergência; locais públicos foram fechados. O presidente François Hollande decretou também o fechamento das fronteiras.

“Frente ao terror, a França tem que ser forte. Devemos chamar cada um à responsabilidade. Os terroristas querem nos deixar com medo, mas a nação sabe mobilizar suas forças e saberá vencer os terroristas. Ainda termos coisas difíceis pela frente, agora mesmo estão atacando um local de Paris. Peço que mantenham a confiança. Viva a República e viva a França”, disse o presidente francês, no primeiro pronunciamento depois de, pelo menos, seis tiroteios e três explosões causarem terror no território francês.

O presidente da França disse ainda não ter dúvida de que se trata de um ataque terrorista.

Alerta máximo

A série de ataques na capital francesa deve deixar os governos britânico e norte-americano em alerta máximo contra o risco de ataques terroristas. O primeiro-ministro britânico, David Cameron, afirmou estar “chocado” com os ataques ocorridos na noite desta sexta (13) em Paris. “Nossos pensamentos e orações estão com o povo francês. Faremos todo o necessário para ajudar”, disse o premiê.

Disparos pareciam fogos de artifício, dizem testemunhas; assista ao momento da explosão

Explosões próximas ao Stade de France, em Paris, pareciam fogos de artifício, relatam testemunhas nesta sexta-feira (13). “O som foi de fogos de artifício”, disse Emilioi Macchio, um italiano que estava nas proximidades do restaurante Le Carillon, que foi atacado.

Leia a matéria completa

Em coletiva de imprensa, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que os ataques em Paris são ataques a toda a humanidade. “Vamos agir em coordenação na investigação para saber o que está acontecendo. Sabemos o que é isso, pois passamos por episodio semelhante nós mesmos”, afirmou.

A polícia de Nova York afirmou, em nota, que, apesar de não haver indicação de que os ataques tenham qualquer nexo com a cidade, precauções foram tomadas. Equipes foram destacadas para regiões com aglomerados de pessoas e em locais que tenham conexão com a França.

As emissoras de televisão transmitiram ao vivo, sem interrupção, a cobertura dos ataques em Paris, ouvindo jornalistas e políticos da França.

Cronologia do terror: relembre ataques a França

Março 2012

Um argelino francês matou três soldados, um professor e três jovens estudantes em uma escola judaica em Toulouse. Mais tarde ele foi morto pela polícia durante um cerco em seu apartamento.

Maio de 2013

Alexandre Dhaussy, um francês convertido ao islamismo, esfaqueou um soldado francês no pescoço, em La Defense, em Paris. O soldado sobreviveu ao ataque.

Dezembro 2014

Um cidadão francês, nascido em Burrundi, atacara vários policiais com uma faca gritando “Allahu Akbar” (”Deus é grande”, em árabe). Ele feriu três policiais antes de ser morto a tiros.

07 de janeiro de 2015

Doze pessoas são mortas no escritório da revista satírica Charlie Hebdo, incluindo cartunistas famosos.

08 de janeiro de 2015

Amedy Coulibaly mata um policial antes de entrar em um supermercado judeu em Paris, onde ele matou mais quatro pessoas. Coulibaly e os irmãos Kouachi morreram em tiroteios com a polícia.

03 de fevereiro de 2015

Três soldados de uma patrulha são atacados num centro comunitário judaico em Nice. Um soldado é esfaqueado no braço e outro no rosto. O suspeito foi preso.

26 de junho de 2015

Dois homens entraram numa fábrica de produtos químicos perto de Grenoble com o objetivo de roubar explosivos. Um homem foi decapitado e vários outros ficaram feridos. Um suspeito foi detido. Uma bandeira preta com escrita árabe foi encontrada na cena do crime e presidente François Hollande descreveu como um ataque terrorista.

  • Vista geral que mostra corpos cobertos do lado de fora de um restaurante em Paris.
  • Serviços de resgate trabalhando perto de corpos cobertos após tiroteio em restaurante.
  • Tiroteios e explosões ocorreram em várias partes de Paris nesta sexta-feira (13).
  • Polícia francesa em área perto do teatro Bataclan.
  • Bombeiros franceses ajudam mulher ferida.
  • Multidão deixa o Stade de France após as explosões.
  • Bombeiros ajudam homem ferido nas proximidades da casa de shows Bataclan.
  • Polícia francesa ajuda pessoas nas proximidades do Bataclan.
  • Corpo é resgatado nas proximidades de restaurante que foi palco de ataques em Paris.
  • Resgate de feridos nas ruas de Paris.
  • Polícia francesa evacua o Stade de France.
  • Perto do Bataclan, homem é rendido pela polícia francesa para que sua identidade seja checada.
  • Polícia francesa se posiciona do lado de fora do Stade de France.
  • O presidente Barack Obama se pronuncia a respeito dos ataques em Paris.
  • Curiosos se aglomeram em frente ao Bataclan.
  • O presidente francês François Hollande faz pronunciamento a respeito dos ataques desta noite em Paris.
  • Vítima dos ataques é vista fora do Bataclan.
  • Polícia francesa nos arredores da casa de shows Bataclan.
  • Próximos à Catedral de Notre-Dame de Paris, policiais franceses fazem patrulha após os ataques desta sexta-feira.
  • Corpo coberto é visto em frente ao Bataclan.
  • Polícia patrulha a Boulevard Voltaire.
  • Pessoas aguardam por notícias na entrada do hospital La Pitie Salpetriere.
  • Pessoas se abraçam em rua próxima ao Bataclan.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]