i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
radicalismo

Pesquisa revela que 85% dos árabes não apoiam ações do Estado Islâmico

A pesquisa foi feita com 5,1 mil entrevistas telefônicas no Líbano, Jordânia, Iraque, Tunísia, Palestina, Egito, Arábia Saudita, assim como entre os refugiados sírios na Turquia, Líbano e Jordânia

  • PorEFE
  • 16/11/2014 16:09

Uma recente pesquisa realizada pelo Centro Árabe de Pesquisa e Estudos Políticos, com sede em Doha, mostrou que 85% dos cidadãos árabes são contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

A pesquisa foi feita com 5,1 mil entrevistas telefônicas no Líbano, Jordânia, Iraque, Tunísia, Palestina, Egito, Arábia Saudita, assim como entre os refugiados sírios na Turquia, Líbano e Jordânia.

"Esta pesquisa tinha que ser realizada porque afeta direta e indiretamente a vida de milhões de árabes, pela conjuntura da região, e é muito importante porque reflete a opinião do povo árabe sobre esta situação", explicou à Agência Efe o coordenador do projeto, Mohammed Almasri.

A pesquisa, realizada em Doha e apresentada nesta semana em Washington, revela também que 11% dos indagados tem uma percepção positiva do EI.

Entre eles, 13% têm esta imagem pelos princípios islâmicos que manifestam e 55% por suas conquistas militares, sua preparação para desafiar o Ocidente, sua oposição aos regimes da Síria, Iraque e do Irã ou por seu apoio à comunidade sunita na região.

Dos indagados no Iraque, 90% rejeitam o grupo, enquanto 8% o apoiam.

A porcentagem propícia ao EI ascende até 13% entre os refugiados sírios, que rejeitam o grupo radical em 83% dos casos indagados.

Além disso, a pesquisa revela que 37% se mostraram contrário aos ataques aéreos contra as posições do EI realizados pela coalizão internacional, enquanto 59% os apoiam, embora só 22% do total dos indagados acreditem que conseguirão seus objetivos.

No entanto, 45% se declararam "totalmente" contra o deslocamento de forças terrestres.

Dos países indagados, o Líbano é o que brinda um maior apoio à coalizão, 76%, enquanto a Arábia Saudita se encontra no extremo oposto com 50% de nível de aprovação.

No Iraque, três em cada quatro cidadãos são partidários dos ataques e, no caso dos refugiados sírios, este índice baixa para 58%.

Embora a maior parte aprove as ações realizadas pela coalizão, 73% têm uma opinião "negativa" da política externa dos EUA na região, "pelo apoio econômico a Israel e porque não estão fazendo nada para ajudar os sírios para derrubar o presidente sírio Bashar al-Assad", disse à Agência Efe Almasri.

O EI lançou em junho passado uma ofensiva relâmpago no Iraque, onde conquistou amplas zonas do norte e do centro, e proclamou no final desse mesmo mês um califado no território iraquiano e sírio sob seu domínio.

Na quinta-feira, o EI emitiu uma gravação atribuída a seu líder, Abu Bakr al-Baghdadi, na qual anunciou a expansão do califado aos países do Golfo Pérsico e ao norte da África, onde outras organizações radicais lhe juraram lealdade.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.