i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Intolerância

Polícia faz cerco aos suspeitos de ataque ao Hebdo em Aisne

Na cidade de Villers-Cotterêts, tiros foram disparados contra um posto de gasolina, onde os suspeitos foram vistos, de acordo com outros relatos na imprensa francesa

  • PorGazeta do povo, com agências
  • 08/01/2015 13:25
Policiais fazem um cerco nas estradas e ruas próximas da cidade de Villers-Cotterêts, ao Nordeste de Paris na busca pelos suspeitos do atentado ao periódico Charlie Hebdo | Yoan Valat / EFE
Policiais fazem um cerco nas estradas e ruas próximas da cidade de Villers-Cotterêts, ao Nordeste de Paris na busca pelos suspeitos do atentado ao periódico Charlie Hebdo| Foto: Yoan Valat / EFE

Milhares voltam às ruas de Paris para homenagear vítimas de ataque

Milhares de pessoas se reuniram novamente nesta quinta-feira (8) na praça da República, em Paris, para homenagear as vítimas do atentado que deixou 12 mortos na quarta (7) na sede do jornal satírico "Charlie Hebdo". A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, e vários membros das forças políticas do Conselho de Paris convocaram um ato silencioso, mas as palavras de ordem não demoraram a aparecer.

Leia mais

Torre Eiffel apaga luzes como sinal de luto pelo ataque à "Charlie Hebdo"

A Torre Eiffel, um dos monumentos mais emblemáticos do mundo, apagou na noite desta quinta-feira (8) suas luzes como sinal de luto pelas 12 vítimas do atentado de ontem contra a revista satírica francesa "Charlie Hebdo". Construída em 1889, a estrutura de ferro de 324 metros de altura, transformada no maior símbolo da França e de Paris, ficou completamente no escuro às 20h locais (17h em Brasília).

Explosão em Villejuif

Uma explosão aconteceu em Villejuif, cidade ao Sul de Paris, por volta das 17h45 (horário de Brasília). Um carro ficou bastante danificado, mas não há informações de feridos. A explosão foi confirmada pela reportagem do jornal Le Monde.

Policiais chegaram ao local em poucos minutos e rua em que o incidente aconteceu está bloqueada. O caso foi na avenida Paul Vaillant Couturier próximo ao cruzamento com a rua Jean-Baptiste Baudin

Suspeito de atentado à Charlie Hebdo foi de fã de rap a jihadista

Os irmãos Chérif e Said Kouachi, de 32 e 34 anos, eram rostos conhecidos da polícia. Os supostos autores do ataque terrorista ao jornal satírico "Charlie Hebdo" estavam entre os centenas de suspeitos jihadistas que estavam sendo monitorados pelas forças de segurança.

Nascido em 28 de novembro de 1982 em Paris, francês de nacionalidade, Chérif, o mais novo dos irmãos, era um jovem fã de rap até seu caminho cruzar com o de Farid Benyettou, que o apresentou à rede jihadista Buttes-Chaumont. A célula islâmica alistava cidadãos franceses em uma mesquita no leste de Paris para que fossem ao Iraque combater os americanos. Foi Benyettou, líder do grupo, que o convenceu a viajar para o Iraque. Em 2005, quando Chérif, que já usava o nome Abu Issen, estava prestes a tomar um voo para Damasco, foi preso e condenado a um ano e meio de encarceramento.

Leia mais

Estado Islâmico considera heróis autores do ataque ao jornal Charlie Hebdo

A estação de rádio da organização extremista Estado Islâmico classificou como heróis os autores do ataque terrorista dessa quarta-feira (7), em Paris, contra o jornal satírico Charlie Hebdo.

Na mensagem lida durante as transmissões da rádio al Bayene, do grupo que mantém sob controle áreas territoriais da Síria e do Iraque, o locutor afirma que "os heróis jihadistas" mataram 12 pessoas e feriram várias outras "para vingar o profeta Maomé".

Leia mais

As polêmicas do Charlie Hebdo

O semanário Charlie Hebdo sucedeu a revista Hara-Kiri Hebdo, fechada em 1970 pelo Ministério do Interior da França após uma manchete ser considerada ofensiva ao presidente Charles de Gaulle, que acabara de morrer. O slogan do Charlie Hebdo é "jornal irresponsável". A tiragem de cerca de 50 mil exemplares por semana.

CRONOLOGIA

Setembro 2005> Jornal dinamarquês "Jyllands-Posten" publica charges do profeta Maomé consideradas ofensivas. Ação provoca atos de violência contra embaixadas da Dinamarca

Fevereiro 2006> O Charlie Hebdo reproduz as charges do jornal dinamarquês como forma de protesto. Os 140 mil exemplares com as caricaturas se esgotam rapidamente e o semanário providencia tiragens extras de 400 mil exemplares

> O então presidente da França, Jacques Chirac, critica publicação, dizendo que ela é uma "provocação que pode perigosamente exacerbar as paixões. A polícia é mobilizada para proteger sede da redação

Março 2007> Tribunal parisiense determina arquivamento de processo que poderia ser aberto por iniciativa de entidades muçulmanas contra o Charlie-Hebdo

Fevereiro 2008> Polícia dinamarquesa anuncia prisão de três pessoas que planejavam assassinar o cartunista dinamarquês responsável por charges de Maomé no jornal "Jyllands-Posten". A publicação diz que alvo do ataque seria Kurt Westergaard, então com 73 anos

Novembro 2011> A sede do Charlie Hebdo é alvo de bomba incendiária depois que o semanário ironicamente nomeia Maomé "editor-chefe" de uma edição. O diretor da publicação é mantido sob proteção policial.

Setembro 2012> O Charlie Hebdo volta publicar charges do profeta. Na capa, desenho mostrava judeu ortodoxo carregando um muçulmano numa cadeira de rodas. Ambos diziam ao leitor: "Não ria!"

> Governo francês fecha escolas, representações diplomáticas e centros culturais em uma sexta-feira - dia tradicional de protestos em países islâmicos - em 20 países para evitar ataques

Janeiro 2013> O site do Charlie Hebdo fica fora do ar por algumas horas após ser atacado por hackers. No mesmo dia, publicação havia lançado uma história em quadrinhos sobre Maomé.

Janeiro 2015> A sede da publicação, no centro de Paris, é alvo de ataque terrorista; 12 pessoas são mortas por extremistas.

  • Forças policiais francesas no vilarejo de Corcy - ao Nordeste de Paris -, onde concentram-se as buscas aos dois suspeitos do atentado ao Charlie Hebdo
  • Forças policiais francesas caçam dois suspeitos do atentado ao periódico Charlie Hebdo, que deixou 12 mortos. Na imagem, dois oficiais em Montrouge, próximo de Paris
  • Cherif Kouachi e Said Kouachi, suspeitos de participar do ataque, estão foragidos. As fotos foram divulgadas pelas autoridades francesas
  • Mulher lê o ultimo número do Charlie Hebdo, em Paris, nesta quarta-feira (7)
  • Bandeiras da França indicam luto na frente da Assembleia Nacional, em Paris
  • Franceses foram às ruas de Paris para homenagear os mortos
  • Equipe socorre uma das vítimas do atentado ao jornal Charlie Hebdo, em paris
  • O presidente francês, François Hollande, em pronunciamento nesta quarta-feira
  • Policial à frente da sede do jornal francês Charlie Hebdo, que sofreu ataque
  • Policiais trabalham no região onde ocorreu o atentado
  • A polícia bloqueou as ruas próximas à redação do jornal depois do ataque
  • Equipes de resgate, logo após o atentado
  • Francês homenageia mortos no atentado
  • Outro bloqueio das ruas próximas ao jornal
  • Manifestantes fazem vigília em Paris
  • O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o vice-presidente Joe Biden, e a secretária de Estado Susan Rice durante entrevista sobre o atentado em Paris
  • Flores, velas e um cartaz com a inscrição
  • Flores na frente da embaixada da França em Washington
  • Britânicos também foram às ruas de Londres para se solidarizar com as vítimas do ataque em Paris
  • Cidadão deposita flores em frente à Embaixada da França em Berlim, Alemanha. Em todo o mundo houve manifestações de pesar pelo atentado e também em favor da liberdade de expressão e de imprensa
Veja também

As forças policiais da França tentam fechar o cerco nessa quinta-feira (8) aos irmãos Cherif e Said Kouachi, de 32 e 34 anos - suspeitos de matar 12 pessoas nessa quarta (7) em um atentado contra o jornal semanal de Paris 'Charlie Hebdo' em retaliação as piadas sobre islamismo feitas pelo periódico. Os jornais franceses noticiam que há um forte aparato policial no departamento de Aisne ao Nordeste de Paris. As buscas foram intensificadas em dois vilarejos dessa região: Corcy e Longpont, mas não há informações concretas de os suspeitos ainda estejam nessas localidades.

Os dois militantes islâmicos teriam sido visto durante o dia em um carro perto de um posto de combustíveis na cidade de Villers-Cotterêts. Inicialmente, foi noticiado que os irmãos abandonaram o veículo no posto, mas posteriormente, os relatos não confirmavam a informação. Tiros foram disparados contra o posto, de acordo com outros relatos na imprensa francesa. A placa no carro supostamente usado pelos dois é falsa e helicópteros estão sobrevoando a área de acordo com Le Figaro. O Le Monde divulgou que um homem teria visto os suspeitos usando metralhadoras "Kalashnikovs e lançadores de foguetes."

Chargistas fazem homenagem a mortos; confira

Veja galeria de fotos de Paris nesta quarta-feira e da repercussão do atentado

Veja como foi o ataque ao jornal francês

Confira capas e charges polêmicas do Charlie Hebdo

Ao longo do dia, também houve uma grande movimentação policial em Longpont, vilarejo ao lado de Corcy. Há uma floresta na localidade e uma das possibilidades cogitadas pelos jornais franceses é que a caçada aos suspeitos ocorra nas proximidades desse ponto. Não há informações se os irmãos fogem à pé ou utilizam algum tipo de meio para se locomover. Segundo a emissora pública "France Info", vários helicópteros da Gendarmaria, do Exército e de Defesa Civil sobrevoaram a zona para tentar seguir a pista.

Na madrugada dessa quinta, um homem de 18 anos de idade, Hamyd Mourad, entregou-se à polícia em Charleville-Mézières, cerca de 230 quilômetros a nordeste de Paris, perto da fronteira com a Bélgica. Ele seria o terceiro envolvido no ataque ao semanário.

A polícia divulgou fotos dos dois cidadãos franceses foragidos, dizendo que são "armados e perigosos": os irmãos Cherif e Said Kouachi, já estavam antes sob vigilância dos serviços de segurança antes do atentado.

Mais de 88 mil agentes das forças de segurança pública da França estão diretamente envolvidos nas ações de vigilância, prevenção e proteção dos cidadãos, instalações e do território francês. Parte desse efetivo tenta capturar os dois suspeitos. Uma verdadeira operação de guerra foi acionada para tentar evitar novos ataques. Nove pessoas já foram presas.

Segundo o Ministério do Interior, há 88.150 agentes estrategicamente espalhados: 50 mil policiais militares, 32 mil gendarmes (soldados de uma corporação especial encarregada de manter a ordem pública), 5 mil integrantes de forças móveis e 1.150 militares. Durante reunião do gabinete de crise interministerial, nessa quinta, em Paris, o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, agradeceu o empenho dos homens e mulheres mobilizados e lamentou que uma policial tenha sido morta durante tiroteio no sul de Paris, em circunstâncias ainda não esclarecidas.

Charlie Hebdo

O semanário Charlie Hebdo é bem conhecido por satirizar o islamismo e outras religiões, bem como figuras políticas. Militantes islâmicos vinham repetidamente ameaçando França com ataques por causa de suas ações militares em redutos de radicais islamitas no Oriente Médio e na África, o que levou o governo a reforçar as suas leis antiterrorismo no ano passado.

O primeiro-ministro Manuel Valls disse que a França enfrenta uma ameaça terrorista "sem precedentes" e confirmou que os dois irmãos eram conhecidos dos serviços de segurança. Mas ele acrescentou que ainda é muito cedo para dizer se as autoridades subestimaram a ameaça que eles representavam. "Por eles serem conhecidos, eram seguidos", disse Valls à rádio RTL, acrescentando: "Temos de pensar nas vítimas. Hoje é um dia de luto."

No total, sete pessoas foram presas desde o ataque, disse ele. Fontes policiais disseram que os detidos são em sua maioria conhecidos dos dois principais suspeitos. Uma fonte disse que um dos irmãos tinha sido identificado pelo documento de identidade, deixado no carro de fuga.

Na quarta-feira, um homem de 18 anos de idade, Hamyd Mourad, entregou-se à polícia em Charleville-Mézières, cerca de 230 quilômetros a nordeste de Paris, perto da fronteira com a Bélgica, enquanto a polícia antiterrorismo realizava buscas em Paris e nas cidades de Reims e Estrasburgo, no nordeste da França. A imprensa francesa citou amigos dizendo que ele estava na escola no momento do ataque.

Cherif Kouachi ficou 18 meses na prisão sob a acusação de associação criminosa relacionada com uma ação terrorista em 2005. Ele fazia parte de uma célula islâmica que alistava cidadãos franceses em uma mesquita no leste de Paris para que fossem ao Iraque combater os norte-americanos. Ele foi preso antes de partir para o Iraque.

Sangue frio

Imagens de uma câmera durante o ataque mostram um dos agressores diante da redação do Charlie Hebdo gritando "Allahu Akbar!" (Deus é grande) enquanto tiros eram disparados.

Outro caminhou calmamente até um policial ferido deitado na rua e atirou nele com um fuzil de assalto. Os dois homens, em seguida, entraram em um carro preto e fugiram.Em outro vídeos, os homens são ouvidos gritando em francês: "Matamos Charlie Hebdo. Vingamos o profeta Maomé."

O Charlie Hebdo causou polêmica no passado com cartuns satíricos de líderes políticos e religiosos de todos os credos e também publicou numerosas caricaturas ridicularizando o profeta Maomé. Jihadistas ameaçaram o semanário na Internet, dizendo que pagaria pela zombaria.

O último tuíte da publicação zombou de Abu Bakr al-Baghdadi, líder do grupo Estado Islâmico, que tomou o controle de grandes áreas do Iraque e na Síria e fez um chamado para ataques de "lobos solitários" em solo francês.

Por toda a França dezenas de milhares de pessoas participaram de manifestações improvisadas e vigílias na quarta-feira à noite, em memória das vítimas - entre as quais alguns dos mais proeminentes e amados cartunistas políticos da França - e em apoio à liberdade de expressão.

O ataque

Os terroristas chegaram pouco depois das 11 horas locais (7 horas em Brasília) à sede do Charlie Hebdo. Eles estavam mascarados e com fuzis AK-47. Chamaram pelo nome os chargistas e colunistas do jornal e dispararam contra eles.

Ao deixarem o prédio, um deles executou um policial na rua. Durante a fuga, teriam gritado "Alá é grande" e "vingamos o profeta", o que é considerado uma alusão à publicação pela revista de caricaturas de Maomé.

Eles fugiram em um Citroën C1 de cor preta, que abandonaram em seguida. O policial Rocco Contento descreveu o interior do prédio como uma "carnificina" após o ataque.

Testemunhas disseram ao canal de notícias francês iTELE terem visto o incidente a partir de um prédio próximo no coração da capital francesa. "Cerca de meia hora atrás dois homens com capuz preto entraram no prédio com (fuzis) Kalashnikovs", disse Benoit Bringer à emissora. "Poucos minutos depois, nós ouvimos vários tiros", disse, acrescentando que os homens depois foram vistos fugindo do prédio.

Vítimas

Cinco chargistas foram mortos: o diretor do Charlie Hebdo, Stéphane Charbonnier (conhecido com Charb); Jean Cabu; Bernard Verlhac (conhecido como Tignous); Phillippe Honoré; e George Wolinski (um dos mais conceituados quadrinistas do mundo).

As outras vítimas foram o colunista e economista do Banco da França Bernard Maris; o revisor do jornal Mustapha Ourad; a psicanalista e colunista Elsa Cayat; um funcionário de outra empresa, que trabalhava no prédio, Frédéric Boisseau; Michel Renaud, que visitava o Charlie Hebdo; e dois policiais, Franck Brinsolaro (morto dentro do prédio) e Ahmed Merabet, executado na rua, quando os atiradores fugiam.

Ameaças

O Charlie Hebdo foi alvo de várias ameaças por causa da publicação de caricaturas do profeta Maomé e de outros desenhos controversos.

Desde 2011, quando a sede da revista foi alvo de ataque à bomba horas antes de uma edição com uma charge do profeta Maomé ir às bancas, Stéphane Charbonnier andava com escolta de um policial.

Dia de terror em Paris

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.